Agência Brasil

Siro Darlan
Fernando Frazão/ABr
Darlan é suspeito de participar de um esquema maior de venda de sentenças.

O ministro Luís Felipe Salomão, do Superior Tribunal de Justiça (STJ), determinou o afastamento do desembargador Siro Darlan , do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro (TJRJ), de suas funções por 180 dias.

Leia também: Foto de armas e xingamento de “gado”: seguidores questionam tag #JairNobeldaPaz

Salomão atendeu a um pedido feito pela Procuradoria-Geral da República (PGR), que, em abril, apresentou denúncia contra o desembargador por corrupção passiva. Ele foi acusado de ter vendido uma decisão judicial por R$ 50 mil.

Alvo de outras investigações em curso, Darlan é suspeito de participar de um esquema maior de venda de sentenças. O ministro Salomão determinou a quebra de sigilo bancário e fiscal do magistrado, bem como o bloqueio de bens, incluindo carros e imóveis.

“Há elementos concretos da existência de uma estrutura criminosa organizada destinada à comercialização de decisões judiciais no âmbito do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, que aparenta ter em seu núcleo decisório o desembargador Siro Darlan de Oliveira”, escreveu o ministro do STJ.

Leia também: Zema vai criar protocolo para que prefeitos decidam sobre reabertura do comércio

Salomão negou um pedido de prisão que havia sido feito pela Polícia Federal . Entretanto, o ministro determinou a prisão temporária domiciliar de outras quatro pessoas, incluindo um filho do desembargador, que é suspeito de ter envolvimento com uma milícia do estado.

A Agência Brasil tentou contato com a defesa do desembargador.

    Veja Também

      Mostrar mais