Ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta
Isac Nóbrega/PR
Ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta

O ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta , deu entrevista coletiva nesta segunda-feira (6) após reunião de pouco mais de duas horas com o presidente Jair Bolsonaro e sua equipe ministerial e disse que continua como titular da pasta. "Nós vamos continuar", enfatizou o ministro.

Mandetta voltou a reforçar que a conduta do ministério continuará se pautando por "ciência, planejamento, estratégia e foco". "É normal que as pessoas cobrem, façam perguntas sobre cenários e perspectivas que nós mesmos também nos perguntamos. Nós não somos os donos da verdade, mas o donos das dúvidas", disse.

Leia também: Capitais registram panelaço e gritos de "Fica, Mandetta" após suposta demissão

Sobre a reunião de mais cedo no Planalto , o ministro disse que o encontro foi proveitoso e que o governo federal vai "se reposicionar" no sentido de ter mais união.

"Nós não temos receio de crítica, nós gostamos muito de críticas construtivas. O que nós temos dificuldades de aceitar é quando determinadas críticas não vêm no sentido de construir, mas de criar dificuldades", afirmou Mandetta sem citar nenhum nome. "Nosso inimigo é um só e tem nome. É a Covid-19", completou.

Leia também: "Ameaça não dá", desabafa Mandetta sobre críticas de Bolsonaro

Durante todo o dia hoje, membros da equipe do ministério da Saúde chegaram as esvaziar as gavetas em meio às incertezas da demissão de Mandetta. A tradicional coletiva que os ministros fazem diariamente para falar sobre as novas medidas de combate à Covid-19 não teve a participação de nenhum integrante da equipe ministerial.

Os pronunciamentos foram realizados por secretários e funcionários das áreas técnicas de cada ministério por causa da reunião na tarde desta segunda que decidiu o futuro de Mandetta.

Mais cedo, o presidente  Jair Bolsonaro chegou a decidir pela demissão do ministro, mas foi convencido do contrário pelos militares Braga Netto (Casa Civil) e Luiz Eduardo Ramos (Secretaria de governo) .

Mandetta aproveitou a ocasião e também disse que a população também deve continuar seguindo as orientações dos governadores dos estados brasileiros e que o governo federal continua tentando comprar equipamentos e testes no combate ao novo coronavírus (Sars-CoV-2). "Nós vamos ver como continua essa situação da China. Talvez a gente vá ter que levar um navio brasileiro lá para a China para buscar os produtos", disse.

    Veja Também

      Mostrar mais