Bolsonaro
Marcos Corrêa/Presidência
O presidente Jair Bolsonaro na entrada do Palácio da Alvorada

Nesta quinta-feira (6), em conversa com jornalistas na porta do Palácio da Alvorada, o presidente Jair Bolsonaro disse ser "imbrochável", reclamou das críticas feitas pela imprensa ao seu governo e voltou a ressaltar que ainda não pensa em reeleição.

Leia também: Doria, Huck ou Ciro? Maia defende nome único do centro para eleições de 2022

"Não estou preocupado com reeleição. Não vou brochar para atender vocês pensando em releeição. Eu sou imbrochável", disse Bolsonaro em declaração repercutida pelo jornal Folha de São Paulo, afirmando ainda que quem governa pensando em política "não dá certo".

Cartão vermelho

Em outro ponto, Bolsonaro foi questionado se o ministro Onyx Lorenzoni, da Casa Civil, se encaixava na declaração sobre os  'cartões vermelhos' que seriam distribuídos por ele para quem usasse do cargo para se envolver nas eleições deste ano.

Segundo o presidente, o caso do ministro, que teria privilegiado seu estado natal, o Rio Grande do Sul, em ações da pasta com o objetivo de se cacifar para eleições , será estudado pelo governo.

"É um ponto a ser estudado, tá ok? Os ministros sabem que eu fico ligado, no que for possível, em quase tudo. Percebendo, não conta com a minha simpatia. Até porque eu sempre falei que quem se preocupa com política não vai dar certo. Até porque o pessoal local vai começar a bater. "Por que está vindo mais recurso para tal estado e não para todos de maneira uniforme?" Se isso estiver acontecendo, né, teremos problemas pela frente. Mas até o momento não notei isso aí no Onyx , não. Até o momento", disse.

Leia também: Crime no ABC: Suspeitas confessam ter planejado roubo e negam ter mandado matar

Em julho do ano passado, o jornal O Globo já havia mostrado que Onyx dedicava parcela significativa de sua agenda para receber políticos gaúchos de diversas cidades. Nos primeiros meses de governo, quase 20% dos mais de 350 registros de encontros com parlamentares, prefeitos e secretários estaduais e municipais eram de conterrâneos do ministro.

    Veja Também

      Mostrar mais