Tamanho do texto

Deputada interrompeu a fala de Gil Diniz e o acusou de desrespeitar a bancada do PSL; discussão fez a sessão ser interrompida por cinco minutos

Janaina Paschoal falando na Alesp arrow-options
Carol Jacob/Alesp
Janaina Paschoal se irritou durante sessão que votava aumento do salário de policiais

A deputada  Janaina Paschoal (PSL) discutiu na noite desta terça-feira (26) com o líder do PSL na Assembleia Legislativa de São Paulo (Alesp), Gil Diniz, e o acusou de ser "pau mandado do PT". "Vossa excelência está obedecendo o PT, quem está mandando na bancada é o Barba [Teonílio Barba, líder do PT], que brincadeira é essa?", questionou Janaina.

Exaltada, a deputada interrompeu Diniz enquanto ele falava na tribuna da Casa e também disse que ele desrespeita a bancada do PSL. "Vossa excelência está desmoralizando seus colegas de partido", afirmou Janaina. Ela precisou ser acalmada por outros deputados.

Ao responder as acusações, Diniz disse a Janaina que, se ela quisesse ser líder do PSL, que ela conquistasse os votos da bancada.

Leia também: Janaina Paschoal defende Guedes e diz que fala sobre AI-5 está sendo distorcida

A discussão entre os dois foi porvavelmente foi um projeto que aumenta em 5% o salário dos policiais, mas durante a sessão não ficou claro qual o ponto que irritou Janaina. Os parlamentares ainda não comentaram a briga na manhã desta quarta-feira (27) nem o motivo. 

Janaina e Diniz são do mesmo partido, mas têm várias posicões diferentes e divergem, inclusive, dentro do PSL. A deputada adota posição independente do governo João Doria (PSDB) e de sua própria bancada e defende candidaturas avulsas, sem a necessidade de partido. Candidatos sem partido não são permitidos no Brasil.

Leia também: Janaina diz que não se filiará a novo partido de Bolsonaro: "Não vejo sentido"

Já Diniz nunca exigiu que os colegas de bancada votassem como ele, deixando-os livres para votar como preferissem. Ligado às polícias, ele costuma ser crítico ao governo Doria e é alinhado à família Bolsonaro. Por isso, pretende deixar o PSL rumo ao Aliança Pelo Brasil , novo partido do presidente Jair Bolsonaro .