Placa da Aliança pelo Brasil
Reprodução/Twitter
Partido foi lançado na última quinta-feira (21) e recebeu placa feita de munições

Anunciado na noite de quinta-feira (21) para representar o Aliança pelo Brasil , partido que está sendo criado por Jair Bolsonaro, o número 38 é uma referência ao fato de ele ser o 38º presidente da República do Brasil. A explicação foi dada ao jornal O Globo na noite desta sexta pelo senador Flávio Bolsonaro, escolhido vice-presidente da nova legenda.

Leia também: 'Três oitão' pode ser alvo de ‘disputa’ entre Aliança e Militar; entenda

Além disso, o número é uma alusão ao calibre 38 de revólveres, simbolizando a defesa da agenda armamentista encampada pelo presidente e pelo partido. A escolha reforça o caráter personalista da futura legenda, que é presidida pelo próprio Bolsonaro e tem dois dos seus filhos em cargos de comando.

Em mensagem de áudio enviada ao  Globo  na noite desta sexta, o presidente deu a sua versão sobre a escolha: "São poucos números que estão à disposição, tem os números repetidos, final 0... Sobrou 38, 44. Qualquer número que você vai pegar, vai ter uma conotação, tá? E qual a ideia do 38, que em comum acordo nós chegamos? É um número fácil de gravar, é essa a intenção apenas, tá ok?", disse.

Eleito no ano passado, Bolsonaro faz questão de expor a informação de que é o 38º presidente do país na biografia de sua conta no Twitter. A ideia de adotar o número por conta da coincidência histórica já havia sido aventada por apoiadores na rede social nas últimas semanas, antes do anúncio oficial.

Leia também: PDT retira ações contra deputados que votaram a favor da reforma da Previdência

"O número escolhido é o 38. Acho que é um bom número, né? Não tinha muitas opções. O número 38 é um número mais fácil de gravar", disse Bolsonaro, em transmissão ao vivo na internet, sem explicar a motivação da escolha.

O programa do partido apresentado nesta quinta, em evento em um hotel de luxo em Brasília, diz que a legenda "se compromete a lutar incansavelmente até que todos os brasileiros possam ter plenamente garantido seu direito inalienável de possuir e portar armas, para sua defesa e a dos seus, bem como de sua propriedade e de sua liberdade."

Parte do grupo envolvido na criação da legenda defendia que o número 80 representasse o Aliança. Em conversa observada pelo Globo na manhã desta quinta, o presidente Bolsonaro sinalizou que ainda não havia tomado a decisão a respeito, mas que tendia a escolher o 80.

Leia também: Sem extremismos: saída do clã Bolsonaro pode recolocar PSL em seu 'eixo natural'

Escolhida tesoureira do Aliança pelo Brasil , a advogada Karina Kufa contou ao Globo que tinha sugerido o número 80, por ser mais fácil na hora de votar, já que no teclado da urna eletrônica, os dígitos ficam juntos, um acima do outro. Ela relatou que 38 foi um pleito das pessoas que estavam presentes na convenção. "A gente está ouvindo o que as pessoas querem", comentou.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários