Tamanho do texto

Petista discursou durante o Congresso Nacional do PT, que aconteceu na Casa de Portugal, localizada no centro da capital paulista nesta sexta (22)

hADDAD arrow-options
Wellington Souza / FramePhoto / Agência O Globo
Fernando Haddad (PT) discursou em Congresso Nacional do PT na capital paulista nesta sexta (22).

O ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad (PT), convocou nesta sexta-feira (22) a união dos líderes da América Latina para combater os governos liberais nos países. O petista discursou durante o Congresso Nacional do PT, que aconteceu na Casa de Portugal, localizada no centro da capital paulista. A ex-presidenta Dilma Rousseff (PT) esteve presente, assim como a atual presidente nacional da legenda, Gleisi Hoffmann (PT-PR).

"Os graus de liberdades se estreitaram. O desafio é colocar na ordem do dia dos nossos países o combate à pobreza. Não podemos abdicar da nossa vocação de transformar para melhor a nossa região. Há especificidades de cada país, mas não podemos abdicar de um projeto ousado de unificação ",  disse Haddad. 

Leia mais: "Sensação de estar presa", diz esposa de Moro em publicação nas redes sociais

Imagens dos ex-presidentes Dilma e Luiz Inácio Lula da Silva ao lado de líderes internacionais como Cristina e Nestor Kirchner, Evo Morales, Hugo Chaves, Bill Clinton e Barack Obama eram projetados em um telão ao fundo, enquanto Haddad discursiva. 

O apoio de líderes internacionais de esquerda durante o período em que Lula esteve na prisão foi motivo de agradecimentos de Gleisi Hoffmann , que discursou após o ex-prefeito de São Paulo. 

A ex-presidenta Dilma Rousseff (PT) disse no evento que o governo de Bolsonaro é "neofascista" em seu discurso de quase meia hora a dirigentes e militantes da sigla. A polarização política é vista por Rousseff como decorrente da desigualdade social e da concentração de renda no país. 

Leia também: "Vejo muita humildade nele”, diz deputada do PSL sobre Bolsonaro

"A diferença do Brasil para outros países é que aqui o neofascismo tomou o governo. Não inventamos a polarização. Se você está excluído da riqueza do país, como não ter polarização? A polarização é dada pelas circunstâncias que temos para lutar", exclamou a petista. 

O ex-ministro de Relações Exteriores da Argentina, Jorge Taiana , disse que uma das razões do triunfo da esquerda na Argentina foi a construção da unidade.

"Há que se unir até que doa", afirmou Taiana, que hoje atua como deputado do Parlamento do Mercosul. Ele reforçou ainda que a unidade não é homogênea, mas com matizes. "Temos que construir uma força política ampla, flexível e unida em pontos centrais que nos permitam retomar nosso projeto na América Latina", comentou.

    Leia tudo sobre: lula