Tamanho do texto

As diretrizes da nova sigla criada pelo presidente Jair Bolsonaro foram divulgadas nesta quinta-feira (21) apesar das incertezas sobre viabilidade

Aliança pelo Brasil arrow-options
Reprodução/Twitter
Peça foi feita por Rodrigo Camacho

Os quatro princípios da Aliança pelo Brasil foram apresentados nesta quinta-feira (21) pela advogada do presidente Jair Bolsonaro durante o evento de lançamento da legenda no hotel Royal Tulip, localizado em Brasília. Apesar das incertezas sobre a viabilidade, a sigla possui fundamentos baseados na defesa ao porte de armas , ao repúdio do socialismo e ao comunismo, além de cunho religioso cristão

As bases da Aliança incluem 1) Respeito a Deus e à religião; 2) Respeito à memória, à identidade e à cultura do povo brasileiro; 3) Defesa da vida, da legítima defesa, da família e da infância; 3) Garantia da ordem, da representação política e da segurança. 

Leia mais: MBL protocola pedido de impeachment de Toffoli no Senado

“A Aliança pelo Brasil está convicta de que, com base nesses princípios, conseguirá capitanear um projeto de restauração nacional, que elevará o Brasil no contexto das nações e recuperará o orgulho do povo brasileiro pelo seu país, devolvendo-lhe o poder sobre os seus representantes e gerando uma nação próspera, consciente de si mesma, resolvida com sua identidade, atenta à sua herança, à sua memória e aos seus valores fundamentais, pronta para enfrentar o futuro grandioso para o qual foi chamada”, diz o programa da Aliança. 

A Aliança foi apresentada como um partido conservador e soberanista que pretende combater "falsas promessas do globalismo", comprometido com as "tradições históricas, morais e culturais" da nação brasileira. Os valores fundantes do Evangelho e da Civilização Ocidental e a "relação inseparável da Nação e Cristo", também pautam a nova sigla. 

Leia também: Witzel diz que vai processar Bolsonaro: “quem não deve, não teme”

"O lugar de Deus na vida" é um dos pontos reconhecidos pela advogada de Bolsonaro. “O povo é majoritariamente religioso e não pratica a exclusão de Deus em suas vidas. Logo, não deve fazê-lo seus representantes”, afirmou ao Poder 360.

Em relação ao respeito à memória, a advogada de Bolsonaro conta que o partido vai se "esforçar para divulgar a verdade sobre os males e os crimes das mais variadas faces do movimento revolucionário, como o socialismo, o comunismo o nazifascismo e o globalismo". 

A liberdade curricular e de ensino serão incentivados pela legenda, uma vez que a Aliança responsabiliza "métodos pedagógicos fracassados" pelo analfabetismo nacional, segundo Kufa.