Tamanho do texto

Ex-presidente deixou a prisão da superintendência da Polícia Federal em Curitiba depois que o STF decidiu pelo fim da prisão em segunda instância

Lula saindo da cadeia arrow-options
Gibran Mendes / CUT Paraná
Ex-presidente estava preso há 580 dias

O PT está com um roteiro preparado para o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva após sua soltura nesta sexta-feira (8) da prisão da superintendência da Polícia Federal, mas não divulgou nenhum local ou horário para preservar a "segurança" do petista. Segundo reportagem do portal UOL , a Polícia Militar de São Paulo também já tem um plano de segurança preparado para a chegada de Lula.

Ao sair do prédio da PF , o ex-presidente conversou cerca de 200 apoiadores que aguardavam sua saída e prestou agradecimento às pessoas que fizeram vigília enquanto ele cumpria sua pena. "A vida inteira eu estive conversando com o povo brasileiro e eu não pensei que no dia hoje eu poderia estar aqui conversando com homens e mulheres. Vocês eram o alimento da democracia que eu precisava para resistir", afirmou.

Leia também: O que pode acontecer com Lula após fim de prisão em segunda instância

Falando ao microfone, o petista fez duras críticas ao Ministério Público, à Receita Federal e à Justiça e disse que esse "lado podre" do Estado brasileiro o colocou na prisão. "Eu quero dizer que o lado mentiroso da Polícia Federal fez um inquérito contra mim. O Moro e o TRF-4 têm que saber. Eles não prenderam um homem, eles tentaram matar uma ideia. E eu quero lutar para provar que, se existe um criminoso neste país, é essa maracutaia", disse.

Leia também: Lula deixa prisão da Polícia Federal em Curitiba

O que se sabe até agora é que ao chegar em São Paulo neste sábado (9), Lula se dirigirá ao Sindicato dos Metalúrgicos do ABC, em São Bernardo do Campo , no ABC paulista. Militantes de movimentos sociais já são convocados para o ato. O evento está previsto para começar por volta das 9h.

Por meio de nota, a presidente nacinal do PT, Gleisi Hoffmann disse que os apoiadores devem "seguir tranquilos, como está o presidente, e evitar as provocações que podem vir do clima de ódio e do extremismo da direita para não estragarmos este momento de alegria".

    Leia tudo sobre: Lula