Eduardo falando ao microfone
Luis Macedo/Câmara dos Deputados
Eduardo fez apologia ao AI-5 ao criticar movimentos de esquerda

O deputado federal Eduardo Bolsonaro não fez pedido de desculpas por fala sobre um novo AI-5 nesta quarta-feira (6) durante o início dos trabalhos da Comissão de Relações Exteriores e da Defesa Nacional . Ele preside a comissão e, ao ser questionado sobre o assunto pelo deputado Paulão (PT-AL), o filho do presidente propôs que eles tivessem um debate sobre 1964.

Ele sugeriu a volta do período mais repressivo da ditadura militar na semana passada em entrevista à jornalista Leda Nagle ao falar sobre uma "radicalização da esquerda". Ele deu a declaração quando a jornalista perguntou a ele sobre os protestos recentes no Chile.

Leia também: Novo AI-5: Partidos denunciam Eduardo Bolsonaro ao Conselho de Ética

A repercussão foi negativa na classe política como um todo e Eduardo Bolsonaro recebeu críticas tanto de partidos de esquerda quanto de direita. A própria cúpula do PSL e o pai dele, o presidente Jair Bolsonaro , lamentaram a fala dele. "Qualquer pessoa que pense na volta do AI-5 está sonhando", disse Bolsonaro na ocasião.

Durante a abertura da sessão nesta quarta, o deputado Paulão relembrou uma retratação que Eduardo fez em vídeo dizendo que foi mal interpretado, mas ressaltou que seria importante o presidente do colegiado se desculpar também neste ambiente. "Se vossa excelência faz autocrítica, que eu tive a oportunidade de ouvir, que faça também nesta Casa de forma pública", disse o petista.

Leia também: Gilmar Mendes será relator de ação contra Eduardo por "novo AI-5"

Apesar do pedido, Eduardo disse que ele não precisaria pedir desculpas novamente. "Eu dei uma entrevista para a repórter Leda Nagle na internet e fiz uma retratação na internet. Vossa excelência está querendo que eu me retrate aqui na CREDN, que não foi o local onde eu fiz a minha fala", afirmou.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários