Tamanho do texto

Em nota, prefeitura do Rio de Janeiro criticou a medida do deputado Marcelo Calero (Cidadania) e considera o ato como uma tentativa de 'autopromoção'

Crivella arrow-options
Tânia Rêgo/Agência Brasil
Marcelo Calero (Cidadania) alegou uma "possível prática de ato de improbidade lesivo ao patrimônio público" para pedir o afastamento de Crivella.

O deputado federal da bancada do Rio, Marcelo Calero (Cidadania), entrou na tarde desta sexta-feira com uma representação junto ao Ministério Público do Rio de Janeiro (MPRJ) contra o prefeito Marcelo Crivella. O parlamentar enviou o pedido de instauração de inquérito civil público alegando "possível prática de ato de improbidade lesivo ao patrimônio público" — em razão do rompimento unilateral de contrato com a Concessionária Lamsa, responsável por gerir a Linha Amarela, e a depredação das cabines e dos demais equipamentos na passarela do pedágio. Calero considerou a ação uma "conduta violenta que viola a segurança jurídica".

Leia também: Joice Hasselmann diz que Olavo de Carvalho “virou vassalo e perdeu a noção” 

"O prefeito agiu de forma irresponsável. A ilegalidade cometida por Crivella , destruindo o patrimônio público, atrapalha as investigações sobre possíveis irregularidades no contrato de concessão, além de afastar investidores do Rio, manchando a imagem da cidade. Estamos pedindo, também, ao Ministério Público que o prefeito pague do próprio bolso todas as multas e demais penalidades que Prefeitura do Rio possa receber por conta da depredação", afirmou Calero.

Na representação pedindo instauração de inquérito civil público, o deputado pede que na apuração seja pedido "à Justiça o afastamento do prefeito Marcelo Bezerra Crivella de suas funções, com base na Lei nº 8.429/92;2". O documento enviado também pede que o Ministério Público acione o judiciário para que todas as multas e demais penalidades pecuniárias imputadas à Prefeitura do Rio de Janeiro com base nos acontecimentos de destruição das cabines e estrutura do pedágio da Concessionária LAMSA sejam revertidas para a pessoa física do prefeito.

Em nota, a assessoria de imprensa do prefeito rebateu a medida do parlamentar e chamou de "tentativa de autopromoção".

Leia também: "Virou um grande enganador profissional”, diz Ciro sobre Lula

"O deputado federal Marcelo Calero no desempenho de suas funções públicas, deveria solicitar ao MPE instauração de inquérito civil público para apurar as condutas criminosas que levaram à assinatura do 11o. Termo Aditivo da Linha Amarela". disse a nota, que complementa "o aditivo, firmado pelo então prefeito Eduardo Paes — de quem o deputado foi secretário de Cultura — prorrogou a concessão para 40 anos e aprovou obras superfaturadas. Somados a outras irregularidades, os termos aditivos lesaram a população carioca em R$ 1,6 bilhão", finaliza.