Haddad quarteto fantástico fundamentalista
Ricardo Stuckert
"Tem a turma fundamentalista que quer o estado teocrático no Brasil, que é Damares, Weintraub, Araújo e o Salles. Que compõem um quarteto fantástico na questão fundamentalista", diz Haddad

O ex-prefeito de São Paulo Fernando Haddad (PT-SP), afirmou que o governo de Jair Bolsonaro “faz muito barulho contra si próprio. Ele vive da instabilidade”, em entrevista ao site UOL e ao jornal Folha de S. Paulo, nesta segunda (21).

Leia também: Prisão em segunda instância no STF: o que está em jogo e quem pode ser afetado

“Não há política organizada em torno de ideias. Há uma confusão generalizada que ganha repercussão nos meios de comunicação”, diz. Segundo ele, Bolsonaro não toma providências sobre a situação, em vez disso, acusa ONGs, Papa e Venezuela.  

Para Haddad, a direita foi aniquilada durante o processo eleitoral e teria surgido uma pessoa sem projeto, com visões incongruentes. Mas o professor da USP e ex-prefeito, enxerga nas avaliações do governo, que há “muita gente acordando e percebendo que estamos em dificuldades, que temos um desgoverno”.

Na visão do segundo colocado nas últimas eleições presidenciais, Bolsonaro dialoga com "minorias apaixonadas", “pessoas que não têm apreço à democracia” e que “gostariam de ver o país submetido a uma nova ditadura”.

Leia também: STF retoma julgamento sobre prisão em segunda instância; acompanhe

Também, segundo Haddad, Bolsonaro teria uma base de apoio fundamentalista, um grupo que concorda com a democracia, mas deseja um estado teocrático, “com valores religiosos em tudo”.

No governo, haveria um " quarteto fantástico fundamentalista ", de acordo com Haddad. Do qual fariam parte os ministros Damares Alves (Mulher e Direitos Humanos), Abraham Weintraub (Educação), Ernesto Araújo (Relações Exteriores) e Ricardo Salles (Meio Ambiente).

Leia também: Damares diz que força-tarefa vai rever anistia a cabos da Aeronáutica

Haddad também enxerga no ministro da Justiça Sergio Moro e nos militares um grupo de amantes do mercado, “gente que não tem nenhum apreço pela democracia, e quer saída autoritárias para crise”. 

    Leia tudo sobre:

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários