Deputados criarão proposta de PEC para a P investigar crimes de milícia
Custódio Coimbra / Agência O Globo
Deputados criarão proposta de PEC para a P investigar crimes de milícia

Os deputados do grupo de trabalho que analisa as propostas do ministro da Justiça, Sergio Moro , no pacote anticrime vão apresentar uma Proposta de Emenda à Constituição ( PEC ) que determina que crimes de milícias sejam investigados pela Polícia Federal (PF) e pela Justiça Federal. O grupo é o mesmo que analisa as propostas do ministro Alexandre de Moraes , do Supremo Tribunal Federal ( STF ).

A proposta constava do relatório do deputado Capitão Augusto (PL-SP), a partir da sugestão apresentada por Moraes e um grupo de juristas, mas defendia que a norma fosse incorporada ao Código Penal. Os parlamentares do grupo, no entanto, defenderam que a alteração precisa ser feita via Constituição, que estipula os tipos de crimes que devem ser julgados na Justiça Federal.

O tema foi retirado do relatório por meio de uma emenda do deputado Marcelo Freixo (PSOL-RJ), que propôs a apresentação da PEC. Um artigo que classificava como crime a realização de “atos preparatórios para a constituição de milícia privada” foi eliminado por completo pelos parlamentares.

"Esse parágrafo (dos atos preparatórios) não contribui no enfrentamento à milícia, porque tem subjetividades perigosas, inclusive contra policiais. Não está claro e definido o que é ato preparatório", argumentou Freixo.

Leia também: PM apura ligação entre miliciano que mentiu sobre morte de Marielle e oficiais

O grupo também aprovou uma emenda que acrescentou ao relatório a previsão de que os estados arquem com as despesas de policiais já durante o inquérito, caso a apuração em curso trate de “ fatos relacionados ao uso da força letal praticados no exercício profissional”. Hoje, a obrigação ocorre apenas na fase judicial, depois que o Ministério Público conclui a investigação e apresenta a denúncia. A apresentação da emenda foi sugerida aos deputados pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública.

Os parlamentares retiraram do texto a previsão de que “criminosos habituais” comecem, obrigatoriamente, a cumprir a pena em regime fechado. O grupo considerou que o Código Penal já estabelece os critérios que definem o regime em que cada condenado vai cumprir a punição. A sugestão foi apresentada por Moro à Câmara.

"O que se coloca (na proposta rejeitada) é um tipo novo no ordenamento jurídico e uma tentativa de desconstruir a jurisprudência do Supremo Tribunal Federal, que já diz que é fundamental a individualização da pena", criticou o deputado Paulo Teixeira (PT-SP), citando um habeas corpus da Corte.

Você viu?

Leia também: Chefe de milícia é preso em mansão na Barra da Tijuca

Capitão Augusto defendeu a manutenção do texto, mas foi derrotado:

"O conteúdo busca a proteção da sociedade diante do mal causado por indivíduos que insistem na prática do ilícito", disse.

O grupo também derrubou o item da proposta de Moro que defendia que, durante a investigação ou instrução criminal, se surgissem provas contra autoridades com foro, os juízes deveriam enviar para as instâncias superiores apenas o trecho relativo a estas autoridades.

Hoje, o procedimento é inverso: os magistrados devem enviar todo o processo, e os tribunais superiores definem se a ação vai ser analisada em uma única instância ou se será desmembrada. Também foi suprimida a possibilidade de os juízes definiram qual o tempo de pena que o condenado deve cumprir em regime fechado ou semiaberto antes de ter direito à progressão.

Leia também: Queiroz demitiu ex-mulher de miliciano para proteger Flávio Bolsonaro, diz MP

Outra modificação foi feita em relação aos embargos infringentes, que podem ser apresentados pelos condenados em órgãos colegiados caso haja um voto divergente. A lei atual estabelece que o recurso pode ser interposto quando há divergência em itens como o tempo de cumprimento de pena, por exemplo.

Moro pretendia que este tipo de recurso fosse restrito aos casos em que não há unanimidade quanto a condenação – um desembargador ou ministro vote pela absolvição do réu. O grupo de trabalho retirou esta possibilidade do relatório, mantendo a redação atual do Código de Processo Penal.

Outro ponto suprimido trazia uma lista de facções do crime organizado, no artigo que trata de organizações criminosas, com o nome de cinco daquelas com atuação mais conhecida no país. A lei também foi mantida com a redação atual, sem nomear as facções.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários