Tamanho do texto

Conteúdo dos diálogos obtidos pelo MP foi extraído de celular apreendido durante a Operação 'Os Intocáveis', realizada em janeiro deste ano; entenda

Queiroz e Flávio arrow-options
Reprodução/Instagram
Queiroz e Flávio Bolsonaro

O ex-assessor Fabrício Queiroz demitiu a ex-mulher de um miliciano que trabalhava para o senador Flávio Bolsonaro e atuou para evitar uma vinculação entre o gabinete do filho do presidente e o criminoso, mostram investigações do Ministério Público do Rio.

Leia também: Queiroz se muda para São Paulo para facilitar tratamento de câncer, diz revista

No dia em que se tornou público que era alvo de uma investigação por movimentações milionárias, 6 de dezembro de 2018, Queiroz comunicou por Whatsapp a Danielle Mendonça da Costa da Nóbrega, ex-mulher de Adriano Magalhães da Nóbrega, que ela fora exonerada do gabinete de Flávio Bolsonaro na Assembleia Legislativa (Alerj).

Danielle é ex-mulher do “Capitão Adriano”, chefe de uma quadrilha de milicianos da zona oeste do Rio.  

A íntegra da conversa foi extraída do celular de Danielle, apreendido pelo Grupo de Atuação Especial no Combate ao Crime Organizado (Gaeco) do Ministério Público do Rio, durante a Operação “Os Intocáveis”, em janeiro deste ano. Procurado, o ex-assessor confirmou o contéudo e disse, por meio de seus advogados, que "tais diálogos tinham como objetivo evitar que se pudesse criar qualquer suposição espúria de um vínculo entre ele e a milícia".