Emblemático, o caso do sítio atribuído ao ex-presidente da república Luís Inácio Lula da Silva acaba de ganhar um novo capítulo. Segundo a Folha de SP , o entendimento do Supremo Tribunal Federal de que réus que não são delatores precisam se manifestar por último em ações penais deve fazer um dos principais casos da Lava Jato (PR) retroceder em nove meses.

Leia também: Lula abre mão do regime semiaberto para tentar anulação da pena

Ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva
Theo Marques / FramePhoto / Agência O Globo - 15.8.19
Ex-presidente Luis Inácio Lula da Silva


Leia também: Lula vai se casar em festa de arromba assim que deixar a prisão

À época do processo, Lula foi condenado em primeira instância a 12 anos e 11 meses por corrupção e lavagem devido a reformas bancadas por empreiteiras em um sítio localizado em Atibaia, no interior de São Paulo. Ação já se encaminhava para a fase decisiva na segunda instância, mas agora pode ser revisto.

Leia também: "Sair sem minha inocência é sair como rato", diz Lula em vídeo sobre semiaberto

Apesar de não ter sido confirmado, existe a possibilidade de que só tenham sentenças revistas os processos em que o réu reivindicou ainda na primeira instância o direito a apresentar as alegações finais após os delatores. Se isto acontecer, e este for o parâmetro fixado pelos ministros na Lava Jato (PR), o caso de  Lula se encaixaria nos critérios e voltaria para o primeira grau.

    Leia tudo sobre: Lula

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários