IstoÉ

Jair Bolsonaro e Sergio Moro podem formar chapa para as eleições presidenciais de 2022.
Marcos Corrêa/PR - 29.8.19
Jair Bolsonaro e Sergio Moro podem formar chapa para as eleições presidenciais de 2022.

Para quem achava que o ministro da Justiça, Sergio Moro, andava fraco, desprestigiado e fritado pelo presidente Jair Bolsonaro, acaba de ter uma grande decepção. Afinal, o ministro acaba de obter uma vitória no campo pessoal no governo. Bolsonaro concordou com os argumentos de Moro e manteve no cargo o delegado Maurício Valeixo, diretor-geral da PF. Havia um movimento para que Bolsonaro demitisse o delegado, o que enfraqueceria Moro. O clima de paz entre os dois pode ser constatado quando Moro e sua mulher Rosangela visitaram Bolsonaro e a esposa Michelle, quando ele ainda convalescia no hospital. Não se faz política com o intestino. Moro ganhou este round.

Leia também: Declaração de Janot faz advogados de Cunha temerem pela segurança dele 

Chapa com Bolsonaro

Quem acha também que Moro aproveitará a boa popularidade no governo para se contrapor a Bolsonaro em 2022 , vai quebrar a cara novamente. Moro disse à ISTOÉ que não pretende ser candidato a presidente da República e que o seu candidato é Bolsonaro. No máximo, ele pode ser vice do presidente.

Fundão eleitoral

Quando a Câmara parece que vai tomar jeito, lá vêm os deputados e aprovam mudanças na legislação eleitoral, o chamado fundão eleitoral, pra lá de indecorosas, imorais e vergonhosas. Com a complacência de Rodrigo Maia, presidente da Câmara, os deputados aprovaram, na noite da quarta-feira 18, alterações permitindo que o fundo eleitoral, bancado por recursos públicos, possa pagar uma série de despesas indecentes. Aprovaram que o nosso dinheiro dos impostos possa pagar a compra de imóveis, como mansões, e móveis, como helicópteros, aviões e até carrões de luxo. Além do mais, o projeto prevê que os recursos podem ser aumentados de R$ 1,7 bi para R$ 3,7 bi. Pior: tudo para servir aos que mamam nas tetas dos partidos, muitos deles notadamente políticos desonestos.

Helicóptero

Esse é o caso de Eurípedes Junior, presidente do Pros, que comprou um helicóptero por R$ 2,4 milhões com o fundo partidário. Usa o aparelho para se deslocar de Planaltina de Goiás, onde mora, a Brasília. Sua filha chegou a gravar um vídeo sobrevoando o Lago de Paranoá. Comprou também um avião e uma mansão no Lago Sul por R$ 4,5 milhões.

Caixa dois

Essas compras escandalosas estavam proibidas pelo TSE, que as considerou ilegais. Agora, os deputados legalizam a patifaria. Além dos bens de luxo, os partidos podem pagar advogados e consultorias contábeis, abrindo brechas para o caixa dois. Podem pagar até multas eleitorais, tudo com dinheiro público. Um escárnio.

Collor continua o mesmo

Jefferson Rudy/Agência Senado - 5.12.18
"Votar a favor seria incoerente com a minha história", afirmou o senador Fernando Collor (Pros-AL) sobre a Reforma da Previdência.

O senador Fernando Collor de Mello (Pros-AL), ex-presidente que renunciou ao cargo em 1992 para não sofrer o processo de impeachment, não mudou em nada. Continua o velho aliado do atraso. Ele disse em seu Twitter que vai votar contra a Reforma da Previdência no Senado. “Votar a favor seria incoerente com minha história”, afirmou. Resta saber qual é sua história: envolvimento com a corrupção?

Rápidas

* Agora que as mudanças estão nas mãos de Bolsonaro para serem sancionadas até o próximo dia 3, há um movimento pedindo para que ele vete as aberrações aprovadas: #vetabolsonaro é líder na internet. Todos querem que o presidente derrube essas maldades.

* Como diz o deputado Coronel Tadeu: o Congresso faz suas lambanças, como fez no caso da Lei de Abuso de Autoridade, e agora joga tudo no colo do presidente, que tem que ficar com o ônus de vetar as bandalheiras.

* A UBus, que participa da operação da linha de transporte coletivo no Corredor ABD (São Bernardo-Berrini), lançou esta semana um exclusivo serviço de transporte urbano, no qual a compra de passagens é feita por aplicativo.

Você viu?

* Os ônibus são modernos, com Wi-Fi de banda larga à bordo, dotados de tomadas USB nas poltronas individuais. Segundo Milena Romana, vice-presidente da UBus, todos os veículos são equipados com ar condicionado.

Retrato falado

Essa frase foi dita pelo ministro Luis Roberto Barroso, do STF, ao autorizar buscas e apreensões no gabinete do senador Fernando Bezerra Coelho (MDB-PE), acusado de receber propinas de R$ 5,5 milhões de empreiteiras que construíram as obras da Transposição do São Francisco, quando foi ministro de Dilma. Barroso explicou que sua decisão foi “puramente técnica e republicana”. Bezerra era líder de Bolsonaro no Senado. A Abin não alertou o presidente do passado negro do senador?

Leia também: "Quem vai querer investir num país desse?", pergunta Maia sobre plano de Janot

Toma lá dá cá

Segundo o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), levar a CPI da Lava Toga é difícil por ela atacar os privilégios dos ministros do STF.
Marcos Oliveira/Agência Senado - 18.6.19
Segundo o senador Alessandro Vieira (Cidadania-SE), levar a CPI da Lava Toga é difícil por ela atacar os privilégios dos ministros do STF.

Alessandro Vieira, senador (Cidadania-SE)

Por que é difícil emplacar a CPI da Lava Toga?
É difícil emplacar a CPI porque ela ataca justamente uma casta de privilegiados que nunca foi sequer ameaçada na história do Brasil.

Quem não quer que o Senado investigue os desmandos de ministros do STF?
Temos um conluio, um acordão, que envolve o Executivo, interesses do presidente Bolsonaro, dos ministros do Supremo Dias Toffoli, Gilmar Mendes e outros, e dos presidentes das Casas Legislativas. Todos unidos no sentido de evitar uma apuração isenta.

O senhor acredita que a CPI pode levar ministros do STF ao impeachment?
Sim, é possível se chegar ao impeachment de ministros, desde que se consiga produzir, ao longo da CPI, provas consistentes.

Toyota acelera em SP

Durante sua visita ao Japão, João Doria anunciou que a Toyota irã aplicar R$ 1 bilhão na fábrica de Sorocaba.
Roberto Casimiro / Agência O Globo
Durante sua visita ao Japão, João Doria anunciou que a Toyota irã aplicar R$ 1 bilhão na fábrica de Sorocaba.

O governador João Doria esteve na semana passada no Japão em busca de novos investimentos, a convite da Toyota. Na quinta-feira 19, ele esteve em Nagoia, sede da montadora, onde participou do anúncio de que a empresa aplicará R$ 1 bilhão na fábrica de Sorocaba para a produção de um novo automóvel. O projeto criará 300 novos empregos.

Bolsonaro come poeira

Para tirar o mérito de Doria, Bolsonaro disse que o investimento da Toyota tinha o dedo do governo federal. Escorregou feio. O projeto da montadora que contou com a ajuda federal está sendo desenvolvido em Indaiatuba na produção de um motor híbrido. Uma coisa nada tem a ver com a outra. Doria cutucou Bolsonaro: as eleições serão só daqui a 3 anos.

Focinho de porco não é tomada

Leia também: STF decidirá como juízes vão aplicar tese que pode afetar Lava Jato; entenda

O ex-ministro Geddel Vieira Lima, preso na Papuda, acaba de se formar como eletricista, em curso feito na cadeia. É acusado de ser o dono dos R$ 51 milhões encontrados em um apartamento em Salvador. Como o MPF acaba de pedir sua condenação a 80 de cadeia, vai ter muitas tomadas para consertar no presídio.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários