Flordelis e Misael
Reprodução/Facebook
Deputada resolveu exonerar a mulher de um dos filhos adotivos, o também deputado Misael

Em entrevista ao SBT Rio, nesta sexta-feira, a deputada federal Flordelis dos Santos (PSD-RJ) disse ter sido humilhada pelo filho adotivo Wagner Pimenta, conhecido como Misael, vereador por São Gonçalo. Momento antes, a parlamentar recebeu a visita de representantes do Conselho Tutelar de Niterói. Flordelis foi intimada a dar explicações sobre as condições de uma menor, chamada por ela de filha, que vive em sua casa em situação irregular.

Leia também: Moro pode compor chapa com Bolsonaro nas eleições de 2022

A deputada disse que após a morte do pastor Anderson do Carmo tentou por várias vezes fazer contato com Misael, mas sem sucesso. Na semana passada, Flordelis apresentou uma carta, supostamente escrita pelo filho Lucas Cezar dos Santos, envolvendo o vereador na trama da morte do líder religioso. Procurado, o político não se pronunciou.

“Eu amo meu filho, amo todos os meus filhos. O Misael precisa dar explicações sobre muitas coisas. Porque no dia do velório ele mandou alguém pegar o celular do meu esposo e apagar as mensagens? ... Porque ele mentiu? Ele exonerou pessoas do gabinete dele para colocar algumas que estavam ao seu lado. Estou descontente com esse filho. Ele sabe que estou falando a verdade. Isso tudo que ele está fazendo vai de encontro ao que o meu Lucas disse na carta”.

Anderson do Carmo foi morto a tiros na madrugada do dia 16 de junho. O crime ocorreu na garagem da casa onde ele morava com Flordelis, filhos e netos, em Pendotiba, Niterói, na Região Metropolitana. O laudo da necrópsia apontou que o corpo do líder religioso tinha 30 perfurações.

Dois filhos da deputada, Lucas Cezar dos Santos e Flávio Rodrigues, estão presos pela morte do pai.Flávio é apenas filho biológico de Flordelis. Em depoimento ele confessou ter dado seis tiros no padastro. Já Lucas, é filho adotivo do casal e acusado pela polícia de intermediar a compra da arma do crime. Ambos foram indiciados na primeira fase do inquérito por homicídio qualificado. Eles dividiam a mesma cela em Bangu 9, no Complexo de Gericinó, Zona Oeste do Rio.

Leia também: Caso Ágatha: falhas na obtenção de provas pode atrapalhar investigação; entenda

Na quinta-feira, a juíza Nearis dos Santos Carvalho Arce, da 3ª Vara Criminal de Niterói, determinou, em caráter emergencial que os dois fossem afastados imediatamente.

No último sábado a Polícia Civil realizou a reprodução simulada da morte de Anderson do Carmo, com a participação de Flordelis e as pessoas que estavam na casa na hora do crime. Lucas e Flavio foram intimados, mas se negaram a participar.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários