Tamanho do texto

Líder do MBL afirmou que o filho do presidente é 'um perigo para a democracia' e criticou indicação de Eduardo Bolsonaro para embaixada

Kim Kataguiri arrow-options
Pablo Valadares/Câmara dos Deputados - 19.6.19
Deputado Kim Kataguiri (DEM-SP)

O deputado federal Kim Kataguiri (DEM-SP) fez críticas ao vereador Carlos Bolsonaro, que classificou como "a pessoa que mais puxa o governo para o desastre". O líder do MBL (Movimento Brasil Livre) afirmou ainda que as declarações recentes do filho mais novo do presidente são "um perigo para a democracia". 

Em entrevista ao programa CB.Poder da TV Brasília , Kim Kataguiri elogiou os ministros do presidente, mas fez críticas a seus filhos. " Carlos Bolsonaro é um trem desgovernado, sem freio, prestes a bater na República e causar grandes estragos com seus arroubos autoritários e com seu sectarismo. É a pessoa que mais puxa o governo Bolsonaro para o desastre e para o radicalismo", afirmou. 

O deputado disse ainda que Carlos busca fazer com o pai "a mesma coisa que o PT fez com Lula", o que o torna perigoso para a democracia. De acordo com Kim, o partido "sufocou todas as lideranças" de seu espectro político. 

Questionado sobre seu embate com o deputado Eduardo Bolsonaro nas redes sociais no fim do mês passado, Kim o classificou como "piada". "É um absurdo ele ser candidato a embaixador em Washington. Como é que vamos ter como embaixador em Washington uma pessoa que fala inglês tão bem quanto Joel Santana?", respondeu. 

"É uma piada, é um escárnio com a República. Ele representa governo, opina, fala de arma, apoia Trump. Isso não é postura de chefe de representação diplomática", completou Kim. O líder do MBL, por sua vez, elogiou os ministros Paulo Guedes, da Economia, Tereza Cristina, da Agricultura, e Tarcísio Freitas, da Infraestrutura. 

"A exceção é o ministro do Turismo [Marcelo Álvaro Antonio, acusado no esquema de candidaturas laranjas], que precisa dar explicações. Mas, o principal sabotador do governo é o presidente Jair Bolsonaro e seu núcleo de articulação política, que se envolve em polêmicas desnecessárias e não se junta na Câmara para proteger os interesses do Executivo", completou.

Leia também: Carlos Bolsonaro é investigado pelo MP do Rio por uso de funcionários fantasmas

Apoiador de Bolsonaro nos dois turnos das eleições, Kim afirma que a escolha foi "voto útil" para evitar a vitoria de Fernando Haddad, candidato pelo PT. "O governo Haddad seria bem pior. Mas Bolsonaro é o governo dos sonhos? Não, e justamente por tê-lo apoiado, tenho a responsabilidade de criticar quando comete erros", argumentou.