Tamanho do texto

Presidente sinalizou que demissão de grupo de trabalho da Lava Jato influenciou em sua decisão para escolher Augusto Aras e não manter Dodge

Raquel Dodge arrow-options
Marcos Corrêa/PR - 29.8.19
Raquel Dodge durante cerimônia no Planalto com a presença de Jair Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) sinalizou nesta quinta-feira (5) que cogitou reconduzir a procuradora-geral da República , Raquel Dodge, ao cargo, mas que desistiu após o  pedido de demissão coletiva do grupo de trabalho da Lava Jato na Procuradoria-Geral da República (PGR). De acordo com Bolsonaro, Raquel Dodge estava "na fita", mas "ontem teve o problema".  Bolsonaro indicou nesta quinta o subprocurador Augusto Aras para chefiar a PGR.

No pedido de demissão, os seis procuradores que faziam parte do grupo citam "grave incompatibilidade" com uma manifestação enviada por Dodge ao Supremo Tribunal Federal (STF) na noite da última terça-feira. Os procuradores não citam detalhes do motivo. De acordo com fontes que acompanham o assunto, a insatisfação se deve ao pedido de arquivamento de trechos da delação premiada do ex-presidente da OAS Léo Pinheiro.

"Outros acusam um montão de coisa porque eu teria escolhido esse cara e não outro. A Raquel Dodge estava na fita, ontem teve o problema. Alguém viu o problema de ontem? Estava na fita. Não vou acusá-la de nada", afirmou Bolsonaro a apoiadores, ao chegar no Palácio da Alvorada.

Dodge enviou a delação de Léo Pinheiro na terça-feira pedindo para homologar o acordo. A insatisfação, porém, se deveu ao fato de que a procuradora-geral pediu para arquivar preliminarmente trechos da delação que envolviam o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), e o ex-prefeito de Marília (SP) José Ticiano Dias Toffoli, irmão do presidente do STF, Dias Toffoli.

Leia também: Quem é Augusto Aras? Conheça o indicado por Bolsonaro para a PGR

Na proposta de delação, Léo Pinheiro diz ter feito doações oficiais e repasses via caixa dois a Maia em troca da defesa de interesses da OAS no Congresso. Já no anexo em que cita o ex-prefeito de Marília, Pinheiro o acusa de ter recebido caixa dois e propina.

Como o jornal O Globo mostrou em junho, Maia e Toffoli vinham defendendo nos bastidores a recondução de Dodge para mais um mandato à frente da Procuradoria-Geral da República. A procuradora-geral também articulava a tentativa de permanecer no cargo.