João Vaccari Neto
MARCELO CAMARGO/AGÊNCIA BRASIL
João Vaccari Neto é réu em outros 12 processos na Lava Jato

O ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto pediu à Justiça para cumprir pena em prisão domiciliar com tornozeleira eletrônica. Vaccari está preso por uma condenação de seis anos e oito meses já confirmada pelo Tribunal Regional Federal da 4a Região (TRF-4). No entanto, neste caso o petista foi sentenciado ao regime semiaberto.

Leia também: Senado rejeita proposta que tentava enquadrar ministros do STF

Com isso, Vaccari está apto a progredir de regime. Desde abril de 2015, o ex-tesoureiro segue no Complexo Médico Penal, no Paraná, onde ficam os presos da Lava Jato.

O Ministério Público (MP) estadual, que não atua na Lava Jato, se manifestou favorável para a mudança de regime para o semi-aberto,conforme antecipou na terça-feira a colunista Bela Megale, do jornal O Globo .

No semiaberto, os presos podem sair da prisão durante o dia para trabalhar, mas voltam à noite para dormir. No Paraná, porém, existe a modalidade do "semiaberto harmonizado", que permite o cumprimento da pena em casa com tornozeleira eletrônica .

O advogado que representa o petista, Luiz Flávio Borges D'Urso, pediu o benefício ao juiz de execuções penais.

Leia também: Ao sair da cadeia pela quarta vez, Garotinho diz ter 'consciência tranquila'

Na semana passada, Vaccari já havia recebido um indulto natalino por uma pena de 24 anos em outro processo da Lava Jato. O petista também já foi absolvido por falta de provas pelo então juiz Sergio Moro e em outro caso na segunda instância, no âmbito do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF4).

Ainda assim, Vaccari responde a outros 12 processos na Lava Jato nas Justiças do Paraná, São Paulo e do Distrito Federal. E não é só. Ele tem ainda mais uma condenação, em regime fechado, a seis anos e oito meses já confirmada pelo TRF4 e que está em fase de recurso.

Se a sentença for mantida e os embargos da defesa negados, a corte pode determinar a execução imediata para que o petista cumpra mais essa pena na cadeia.

Leia também: Moro deixa coletiva sem responder pergunta sobre troca na Polícia Federal

A defesa sustenta que Vaccari é inocente e que as delações premiadas que o citam não apresentam provas. "O que ele (Vaccari) fez foi pedir e receber doações para campanhas do partido. Havia recibo e nota disso tudo. Ele nunca recebeu nenhum tipo de vantagem indevida", afirma  D'Urso. 

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários