Tamanho do texto

Casos como os de Eldorado dos Carajás, Carandiru e ônibus 174 estão na lista de beneficiados que o presidente solicitou aos comandantes dos Estados

Bolsonaro arrow-options
José Cruz/Agência Brasil / Agência O Globo
Bolsonaro afirmou que dará indulto a agentes envolvidos em casos polêmicos

O presidente Jair Bolsonaro disse neste sábado que pretende conceder indulto para os policiais que participaram do massacre de Eldorado dos Carajás e do massacre do Carandiru, além dos envolvidos no episódio do ônibus 174, no Rio de Janeiro. Bolsonaro falou com jornalistas durante almoço no quartel general do Exército. A conversa não pode ser gravada nem anotada.

Leia também: Duas versões? Depoimentos expõem contradições de Flordelis sobre assassinato

Ao longo da semana, o presidente já havia falado sobre o plano de fazer um indulto para policiais e que incluiria “nomes surpreendentes”, sem explicar a quem estava se referindo. Bolsonaro está pedindo a todos os comandantes dos estados a relação de policiais que podem ser beneficiados: "Os que enquadrarem, eu vou dar".

Em relação ao Massacre de Carandiru, o presidente afirmou ainda que se o comandante Ubiratan Guimarães estivesse vivo, também seria beneficiado pelo indulto. Ubiratan foi o comandante da ação que resultou na morte de 111 presos presídio do Carandiru, em outubro de 1992.

Bolsonaro também lembrou do caso da apresentadora Ana Hickman, que sofreu uma tentativa de assassinato por um fã em Belo Horizonte: "Não quero dar detalhes, mas tem casos que, se puder colocar, eu vou colocar. Como os policiais que estiveram no caso do Carandiru, do ônibus 174, Eldorado dos Carajás. E, se tiver alguma pendência ainda, o caso da Ana Hickmann".

Carandiru

Em 2 de outubro de 1992, a polícia foi acionada para conter uma rebelião no pavilhão 9 do presídio do Carandiru , considerado, então, o maior presídio da América Latina. A unidade se encontrava superlotada, com mais de 7 mil presos para 3.250 vagas. O início da confusão teria sido motivado por uma briga entre os presos. Um efetivo de 330 policiais participou da ação. Agentes penitenciários e civis ficaram impedidos de entrar no pavilhão por cerca de oito horas.

A princípio foram divulgadas apenas oito mortes dentro do complexo . O número completo, de 111 mortos, só foi informado no dia seguinte, pouco antes do início da contagem de votos das eleições municipais daquele ano. Sobreviventes da chacina relataram que os PMs se dividiram pelos andares da penitenciária e atiraram em diversos detentos que não ofereceram resistência.

Eldorado dos Carajás

A morte de 19 sem-terras no massacre de Eldorado do Carajás em abril de 1996 chocou o Brasil e o mundo. Em abril de 1996, 1,5 mil sem-terra, que marchavam em direção a Belém em um protesto contra a demora da desapropriação de terras, acamparam na rodovia PA-150, na altura de Eldorado de Carajás. A Polícia Militar foi acionada pelo então governador Almir Gabriel (PSDB) para desbloquear a via. Comandada pelo coronel Mário Pantoja, o major José Maria Oliveira e o capitão Raimundo Almendra, a tropa chegou no dia seguinte. Enquanto os sem-terra usavam paus e pedras para conter a ação dos PMs, os policiais revidaram com tiros. Além dos 19 mortos, o combate deixou mais de 60 feridos.

Leia também: De superministro a fantoche: Moro perde força com Bolsonaro

Ônibus 174

No dia 12 de junho de 2000,  Sandro do Nascimento manteve 11 passageiros reféns no ônibus da linha 174 (Gávea-Central), no Jardim Botânico, Zona Sul do Rio . O assalto foi acompanhado ao vivo por todo o país pela TV durante quatro horas e meia. Após horas de negociações com policiais do Batalhão de Operações Especiais (Bope), Sandro, com uma arma apontada para a cabeça da professora Geisa Gonçalves, saiu do veículo.