Heleno
Marcos Corrêa/PR - 1.8.19
Ministro do GSI, General Augusto Heleno

O ministro-chefe do Gabinete de Segurança Institucional, general Augusto Heleno, afirmou nesta quinta-feira (29) que as demarcações de terras indígenas "merecem ser todas revistas". Em transmissão ao vivo com o presidente Jair Bolsonaro, Heleno disse que há denúncias e provas na Funai de que existem demarcações forjadas e aumentadas "por gente interessada em lucrar com isso".

Leia também: Alfinetada em Macron! "Agora é Compactor, porque Bic é francesa", diz Bolsonaro

 "Essas demarcações merecem ser todas revistas, uma vez que há provas de dentro da própria Funai, denúncias de demarcações fraudulentas para terras indigenas. São demarcações que foram forjadas, muito aumentadas em sua extensão por gente interessada em lucrar com isso", afirmou. "O próprio laudo de Raposa Serra do Sol foi colocado em dúvida e, praticamente, comprovado que foi um laudo fraudulento. Todas essas demarcações tem que ser alvo de revisões", completou Heleno .

Em dezembro do ano passado, o jornal Valor Econômico reportou que o então presidente eleito tinha a intenção de rever a demarcação da reserva indígena na Raposa Serra do Sol, em Roraima. Na ocasião, especialistas explicaram ao GLOBO que o plano era inconstitucional. O Supremo Tribunal Federal (STF) havia confirmado, em 2009, a demarcação decretada pelo então presidente Luiz Inácio Lula da Silva.

Com 1,7 milhão de hectares, a reserva era alvo de disputa judicial entre a União, o Estado de Roraima e produtores de arroz. O processo já transitou em julgado na Corte, isto é, não tem recurso possível. A medida ainda violaria o direito dos indígenas à terra, previsto na Constituição. 

Segundo Heleno, que não apresentou evidências na transmissão no Facebook, "o próprio laudo da Raposa Serra do Sol foi comprovado que foi um laudo fraudulento". Reportagem de dezembro do GLOBO mostrou que havia na Agência Nacional de Mineração (antigo Departamento Nacional de Produção Mineral) 97 pedidos de pesquisa com o objetivo de viabilizar a mineração na reserva.

Leia também: Bolsonaro diz que ajuda oferecida pelo G7 para combater queimadas é "esmola"

A Constituição não veda a exploração nestes territórios, mas determina que o Congresso Nacional autorize cada caso específico — os requerimentos também são protocolados na agência, responsável por aprovar a atividade mineradora nas outras áreas do país.

Bolsonaro voltou a repetir que não demarcará terras indígenas em seu governo.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Mostrar mais

      Comentários