Tamanho do texto

Para evitar grampo prometido pelo pastor Anderson, Marzy diz que comprou chip para tramar morte com irmão e falar em segredo com a parlamentar

Flordelis e Marzy arrow-options
Reprodução
Segundo depoimentos, mãe e filha mantinham aparelhos para tramar a morte do pastor

Marzy Teixeira, filha de consideração da deputada federal Flordelis dos Santos, revelou à polícia que ela e a mãe se comunicavam através de celulares secretos. As linhas, segundo Marzy, foram utilizadas, durante duas semanas de janeiro, para tramar com Lucas dos Santos a morte do pastor Anderson do Carmo, com conhecimento da parlamentar. Lucas, assim como Flávio dos Santos, está preso pelo assassinato do pastor, ocorrido no dia 16 de junho.

Leia também: Sexto sentido? Filha de Flordelis diz que teve 'previsão' da morte do pastor

Em seu depoimento, realizado no dia 24 de junho, Marzy explicou os motivos que a fizeram encomendar a morte do pai adotivo: o fator financeiro, já que Anderson não dava mais dinheiro para ela, e um suposto abuso sexual cometido contra uma de suas irmãs, que era menor de idade. No entanto, ela teria cancelado todo o plano, o que teria deixado Lucas contrariado, já que ele queria o dinheiro.

Plano descoberto

Anderson, entretanto,  descobriu a trama e ameaçou grampear os telefones da residência. Para evitar que as conversas fossem monitoradas pelo pastor, nessa ocasião, Marzy diz que comprou um chip e Flordelis comprou um celular com outro chip, por onde elas conversavam em sigilo. Ao ser indagada pela polícia se a deputada sabia do plano, Marzy disse que “Flordelis apenas disse que não tinha dinheiro e que alertou a declarante que não fizesse nada que se arrependesse”. Procurada, Flordelis não foi encontrada.

Bom relacionamento

Marzy relatou, ainda, que já chegou a ter uma boa relação com o pastor . Ela foi morar na casa de Flordelis em 2007, aos 25 anos, após ser convidada pelo próprio Anderson , após um culto. Na época, não possuía emprego ou residência fixa e foi bem recebida por Flordelis, a quem “sempre gostou de ajudar e agradar”. A situação teria mudado após ela cometer um furto, em 2012.

Na ocasião, segundo ela conta, teve conhecimento de onde o dinheiro da igreja era guardado e pegou a quantia de R$ 5 mil, gastos com um telefone, cosmético e bijuterias. Quando Anderson e Flordelis descobriram, mudaram a forma de tratamento. “Alega que tanto Anderson quanto Flordelis pararam de falar com a declarante. Que somente após muito tempo teve uma conversa com sua mãe e voltaram a falar normal. Apesar de ter voltado a falar com Anderson, a relação que alegou ser boa anteriormente, não existia mais”, diz trecho do depoimento.

Leia também: Filho de Flordelis diz que matou pastor após descobrir assédio contra a irmã

Envenenamento

O relacionamento de Marzy com o pastor azedou de vez quando ela soube de uma tentativa de abuso sexual de Anderson contra uma irmã, também adotada. Segundo ela, foi Flordelis quem revelou o caso.

Desde então, Marzy conta que passou a colocar doses extras de remédios prescritos por psiquiatra na comida do pastor, sem o conhecimento dele. “Anderson era uma pessoa agressiva com os filhos”, disse Marzy, admitindo colocar ansiolíticos, como rivotril, para dopá-lo.

Marzy afirmou que, desde o episódio do furto, somado ao tratamento dado a outros filhos, passou a desenvolver “ódio de Anderson”, o que aumentou com restrições financeiras. “Alguns cursos eram pagos pela igreja e Anderson proibia a declarante de ser beneficiada, de subir de cargo ministerial, e que excluía a declarante da convivência, ainda que profissional, com pessoas importantes dentro da igreja”, relatou à polícia.

Pastora queria libertar filho

Ex-esposa de Flávio dos Santos, Tatiana das Graças revelou em depoimento à Polícia Civil que a deputada federal Flordelis (PSD) fez pedido para que ela retirasse queixa de ameaça contra o filho. A acusação foi o que motivou a primeira prisão de Flávio, um dos filhos biológicos da pastora, logo após o enterro de Anderson do Carmo, no dia 17 de junho.

Leia também: Caso Flordelis: cena do crime foi desfeita dolosamente, diz perito criminal

De acordo com o relato de Tatiana, a deputada federal entrou em contato usando o celular de Simone dos Santos, irmã biológica de Flávio, para pedir ajuda. “Flordelis disse: Ajuda o meu filho. Eu preciso muito dele aqui agora. Eu sei que não deveria estar pedindo isto a você, por tudo que ele lhe fez, mas eu preciso dele nesse momento”, relatou a vítima, em depoimento à Delegacia de Homicídios de Niterói.

O mandado de prisão por ameaça contra o filho da deputada foi expedido em abril, após ele ter jurado de morte Tatiana e o seu atual companheiro. Segundo o documento, Flávio chegou a enviar fotos de uma arma e munições para a ex-mulher. Antes disso, no ano passado, ele teria a agredido.