Tamanho do texto

Em publicação, parlamentar relembrou trecho de uma de suas músicas para se defender dos recentes ataques: "deixar a voz do silêncio falar por você"

Florzinha arrow-options
Divulgação/Flordelis
Em postagem, Flordelis diz que silêncio falará por ela

Nos últimos dias, diversos depoimentos de pessoas envolvidas no caso da morte do pastor Anderson do Carmo, assassinado dentro de casa no último dia 16 de junho, acabaram aumentando a desconfiança dos investigadores sobre uma possível participação da deputada Flordelis no crime. Nesta segunda-feira (26), por meio de suas redes sociais, a parlamentar fez uma declaração enigmática, relembrando um trecho de uma de suas músicas.

Leia também: Caso premeditado? Flordelis já sabia da morte do pastor antes de ser informada

"Tem horas que a melhor resposta é ficar calado; deixar que a voz do silêncio fale por você... Essa canção, gravei pela primeira vez em 2005, mas até os dias de hoje, fala muito ao meu coração. Prefiro me calar e deixar Deus me justificar!", disse Flordelis, lembrando trecho da canção 'Voz do Silêncio', que faz parte do álbum 'Questiona ou Adora'.

Recentemente, filhos da deputada revelaram que ela sabia da morte do pastor mesmo sem ter sido informada do crime, que pediu para que familiares  apagassem informações do celular do pastor morto antes de se livrar dele e até de que seria a  'mentora intelectual' do plano para a execução.

Além disso, laudos do IML e do Ministério Público do Rio de Janeiro apontam que a  cena do crime foi desfeita para atrapalhar a investigação e que o pastor poderia estar sendo envenenado pela própria familía após ter  descoberto a trama de seu assassinato.

Leia também: Menina de 11 anos entra em trabalho de parto na escola; pai suspeito de estupro

Agora, a polícia aguarda o resultado da análise pericial que está sendo realizada na arma do crime, para identificar o histórico da pistola e a quem ela pertencia antes de ir parar nas mãos de Flávio dos Santos, preso após confessar o crime, e se realmente uma  segunda arma foi usada no crime, uma vez que peritos afirmaram terem encontrado cerca de 30 perfurações no corpo do pastor, o que contradiz a tese de que apenas seis tiros foram disparados.