Tamanho do texto

Ministro afirmou que pressão internacional sobre aumento de queimadas na Amazônia é "mentira europeia" para criar dificuldades comerciais ao Brasil

Onyx arrow-options
Alan Santos/PR
Ministro seguiu tom da resposta dada mais cedo por Bolsonaro e afirmou que repercussão é mentirosa

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni , repetiu o script de Jair Bolsonaro e afirmou nesta quinta-feira (22) que as nações europeiasmentem sobre o desmatamento no Brasil para atrapalhar comercialmente o país. Quando questionado se viajaria para ver de perto as áreas de queimadas , ele afirmou que tinha outros compromissos no local.

Leia também: "Países usam incêndios para tentar prejudicar o Brasil", afirma Bolsonaro

"Não, eu vou ver coisa mais importante. O projeto Acolhida, que nós estamos fazendo lá em Roraima", disse Onyx a respeito do projeto de acolhimento a venezuelanos no estado.

Nesta quinta,  Bolsonaro voltou a atacar, sem provas, ONGs por queimadas na Amazônia . Nos últimos dias, o presidente tem provocado países europeus que pedem maior cuidado do governo brasileiro com a floresta.

Leia também: Queimada na Amazônia destrói território indígena no Acre; veja fotos

Onyx Lorenzoni afirmou que é "leviano o que vem sendo feito contra o Brasil". Segundo ele, as críticas à agenda ambiental do governo federal começaram com diplomatas brasileiros e funcionários do Itamaraty, "agredindo o Brasil apenas porque a maioria da sociedade brasileira escolheu Bolsonaro como presidente ".

"Eu não vi matéria de ninguém, veículo algum, saindo para defender o Brasil na Europa. São mentiras ditas na Europa de que o Brasil é um país que desmata. O Brasil desmata, sim, mas não no nível e no índice que dizem", declarou o ministro.

Lorenzoni declarou que o Brasil não precisa aceitar lição de outros países na preservação do meio ambiente e que os europeus têm duas razões para criticar o governo brasileiro. A primeira, de acordo com ele, é que a esquerda europeia teria "migrado para a questão do meio ambiente" após a queda do muro de Berlim, sem dar maiores detalhes sobre a explicação. A segunda razão pelas críticas seria para "estabelecer barreiras ao crescimento" comercial brasileiro.

"O presidente Bolsonaro está defendendo o Brasil. Nós temos que desfazer o que é discurso político do que verdadeiramente precisa ser feito. O Brasil é um país que cuida muito bem do seu ambiente", afirmou o ministro.

Críticas internacionais

O Brasil tem sido criticado internacionalmente sobre o aumento das queimadas e do desmatamento na floresta amazônica. Focos de incêndio subiram 146% no estado do Amazonas e 197% no Acre neste ano, em relação a 2018.

Leia também: Mourão atribui incêndios a 'período de seca' e afirma: "Amazônia está segura"

Dados do Programa de Queimadas do Inpe, que usa imagens de satélite para monitorar os focos de calor no país, mostram que houve um aumento de 83% no número de incêndios florestais no Brasil entre 1º de janeiro e 19 de agosto de 2019 e o mesmo período do ano passado. 

Neste ano, o Inpe já detectou 72.843 queimadas no país. No ano passado, foram 39.759.