Tamanho do texto

“A lei é para todos", disse João Otávio de Noronha ao defender limites; ele também apontou que a conduta já estava criminalizada no Código Penal

João Otávio de Noronha, presidente do STJ arrow-options
Emerson Leal/STJ
Presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ) defendeu a lei de abuso de autoridade



O presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro João Otávio de Noronha, disse nesta quinta -feira (15) não ter “nada a temer” em relação à lei de abuso de autoridade aprovada na quarta (14) na Câmara , e que o juízes precisam ter limites em sua atuação como qualquer outra autoridade.

“A lei é para todos. E nós também, juízes, temos que ter limites na nossa atuação, assim como têm os deputados, o presidente da República, como têm os ministros do Poder Executivo. Portanto, acredito que o que tem aí deve ser um aprimoramento da legislação”, disse o presidente do STJ .

Leia também: #VetaBolsonaro! Eleitores pedem derrubada de projeto que pode frear a Lava Jato

Questionado sobre um dos pontos do texto aprovado, segundo o qual se torna crime prorrogar investigação sem razão justificável, Noronha afirmou que o projeto de lei “chove no molhado”, uma vez que tal conduta já seria proibida pelo Código de Processo Penal.

“Portanto, isso não pode nos intimidar. Nós juízes não podemos nos intimidar por nada. Nós juízes temos de estar blindados a intimidações”, disse.

Noronha poderou, porém, que ainda vai examinar com calma o texto e que “se tiver algum vezo de inconstitucionalidade” vai alertar o presidente Jair Bolsonaro para não sancionar o projeto de lei. “Se estiver tudo de acordo, vamos então pedir que sancione, e como bons aplicadores das normas, haveremos de respeitar”, afirmou.

O projeto de lei sobre abuso de autoridade, de autoria do senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP), já havia sido aprovado no Senado. Após ser também aprovado em regime de urgência no plenário da Câmara, segue para sanção presidencial.

Leia também: Maia é o cara! A curiosa história do verdadeiro Presidente do Brasil

O texto aprovado elenca cerca de 30 condutas que passam a ser tipificadas como crime de abuso de autoridade , passíveis de detenção, entre elas pedir a instauração de inquérito contra pessoa mesmo sem indícios da prática de crime, estender investigação de forma injustificada e decretar medida de privação de liberdade de forma expressamente contrária às situações previstas em lei, por exemplo.