Tamanho do texto

Athayde Ribeiro Costa, que faz parte da força-tarefa da Operação Lava Jato, expressou descontentamento com o fato da ministra ser escolhida para relatoria de representação contra o também ministro Gilmar Mendes

CM arrow-options
Rosinei Coutinho/SCO/STF - 21.5.19
Procurador da Lava Jato chamou Cármen Lúcia de "frouxa" em mensagens vazadas

Uma nova leva de mensagens vazadas entre procuradores da Lava Jato revelou que um dos membros da força-tarefa da operação chamou a ministra do Supremo Tribunal Federal (STF) Cármen Lúcia  de "frouxa" e "amiguinha" de Gilmar Mendes.

Leia também: Maia celebra relação entre governo e Congresso: "Estamos mais próximos"

O procurador em questão é Athayde Ribeiro Costa que, ao saber que  Cármen Lúcia havia sido escolhida como relatora de uma Arguição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF) contra Mendes, esbravejou com os colegas em um grupo do aplicativo de mensagens Telegram.

" Frouxa ", escreveu Costa, ao ser informado do resultado da relatoria. O também procurador Diogo Castor de Mattos, que foi quem contou aos colegas sobre o resultado do sorteio, discordou do colega. "Sei não, hein. Ela vai crescer", opinou.

Leia também: Justiça autoriza transferência do ex-presidente Lula para São Paulo

"Amiguinha", respondeu Costa, que recebeu apoio do procurador Deltan Dallagnol. "Ela é amiga da esposa do GM [ Gilmar Mendes ]", afirmou. A apreensão dos procuradores se confimou, uma vez que a ministra optou por arquivar a ADPF contra o colega.

Ainda segundo as conversas vazadas, o procurador  Deltan Dallagnol foi responsável por articular com o senador Randolfe Rodrigues (Rede-AP) a representação do partido contra Gilmar Mendes. O objetivo da ADPF era impedir que o ministro pudesse soltar presos de processos dos quais ele não fosse juiz.