Tamanho do texto

Em março de 2019, o presidente do STF abriu investigação sobre supostas ofensas e divulgação de informações falsas sobre ministros da Corte

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, emitiu um parecer contrário ao inquérito aberto de ofício pelo STF (Supremo Tribunal Federal) para apurar a divulgação de notícias falsas contra ministros da Corte.

Leia também: Lava Jato: mensagens de Dallagnol podem levar a 15 demissões

Procuradora-geral da República%2C Raquel Dodge%2C arrow-options
Marcelo Camargo/Agência Brasil - 14.12.17
Procuradora-geral da República, Raquel Dodge,

No parecer divulgado neste sábado (03), Raquel Dodge  diz que o inquérito usurpa competências do Ministério Público, fere a Constituição e diz que a sua existência cria um “verdadeiro tribunal de exceção”.

Leia também: Procuradores-chefes divulgam nota em apoio da lista tríplice para a PGR

O parecer de Dodge foi dado em resposta a um mandado de segurança movido pela Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR). A entidade pede a suspensão do inquérito e que ele seja declarado ilegal e inconstitucional. No documento, Dodge pede que as solicitações feitas pela ANPR sejam acolhidas pelo STF.

Em março de 2019, o presidente do STF, Dias Toffoli, instaurou a abertura de um inquérito para investigar supostas ofensas e divulgação de informações falsas sobre ministros da Corte. O inquérito está sob a relatoria do ministro Alexandre de Moraes.

Desde a sua instauração, diversas entidades criticaram a decisão de Toffoli argumentando que o STF não poderia ter aberto a investigação sem a participação do Ministério Público na medida em que ele não poderia atuar, ao mesmo tempo, como órgão investigador e julgador.

Em abril, a Procuradoria Geral da República promoveu o arquivamento do inquérito, mas a investigação continuou tramitando. No mesmo mês, a ANPR recorreu ao STF pedindo a suspensão do inquérito que também estaria investigando procuradores da República que teriam criticado integrantes da Corte. 

Dodge destaca que procuradores da República não poderiam ser investigados por membros do STF e que a continuidade do inquérito criava um “tribunal de exceção”.

"A usurpação de competências constitucionais reservadas aos membros do Ministério Público e sua investigação por verdadeiro tribunal de exceção, evidenciam as ilegalidades apontadas".

Em seu parecer, Dodge ainda faz duras críticas ao inquérito argumentando que o MP vem sendo “privado” de avaliar o andamento do processo. 

"Se o Ministério Público é privado de realizar essa avaliação, ela será feita diretamente pelo magistrado, que, então, atuará como investigador. Tal dinâmica ofende, a um só tempo, o princípio da separação de poderes e o sistema acusatório vigente no país", diz um trecho do documento. 

Dodge disse ainda que seria praticamente impossível esperar imparcialidade do STF ao investigar e julgar as supostas ofensas a magistrados apuradas pelo inquérito. 

"Além de investigador e julgador, o Ministro Relator do Inquérito 4781 é vítima dos fatos investigados" que seriam ofensivos à “honorabilidade e a segurança do Supremo Tribunal Federal, de seus membros e familiares. Não há como imaginar situação mais comprometedora da imparcialidade e neutralidade dos julgadores", diz outro trecho do parecer. 

Dodge ainda criticou a ação do STF em relação a alguns dos investigados. Segundo ela, por mais que os ministros da Corte mereçam respeito, a Constituição Federal prevê que eles possam ser alvo de críticas. 

Na última quinta (01), o partido Rede Sustentabilidade reiterou um pedido de liminar para suspender o inquérito instaurado por Toffoli depois que o ministro Alexandre de Moraes determinou a suspensão de investigações conduzidas pela Receita Federal contra 133 contribuintes e a suspensão de dois servidores do órgão. 

Leia também: Bolsonaro não descarta Raquel Dodge e diz que “todos estão no radar” para a PGR

A decisão de Moraes foi uma resposta a supostas irregularidades cometidas por servidores da Receita relacionadas a investigações do órgão sobre pessoas próximas a ministros da Corte.