Tamanho do texto

Força-tarefa da Lava Jato conta hoje com 15 procuradores, quatro a mais do que ue em 2015 e 2016, no auge das investigações da Lava-Jato; confira mais

As suspeitas de que Deltan Dallagnol tenha incentivado a investigação sobre Dias Toffoli, podem ter impactado na redução de tamanho da força-tarefa da Lava Jato em Curitiba.

Leia também: Vazamentos de conversas de Dallagnol tensionam relação entre STF e MP

Dallagnol arrow-options
Lucas Tavares / Zimel Press / Agência O Globo
Equipe da Lava Jato deve sofrer redução


O grupo da Lava Jato tem hoje 15 procuradores, quatro a mais do que no auge das investigações, em 2015 e 2016, quando a equipe contava com 11 pessoas e uma equipe, que somada chega a 70 servidores.

Leia também: CNMP investiga supostas irregularidades em palestra de Deltan Dallagnol

A renovação da força-tarefa é feita anualmente, em setembro, mesmo mês em que termina o mandato da procuradora-geral da República, Raquel Dodge. Isso quer dizer que o destino do grupo pode depender da escolha do presidente Jair Bolsonaro para o comando da Procuradoria-Geral da República.

Nada garante que a equipe continue robusta. Isso porque as principais descobertas da força-tarefa de Curitiba já foram reveladas e, as mais recentes servem como rescaldo. Além disso, existe a pressão das unidades de origem para que os procuradores retornem aos seus estados.

Leia também: Força-tarefa da Lava Jato: Dallagnol não pediu investigação contra Toffoli

Atualmente, três dos procuradores da Lava Jato estão no Paraná,  Deltan Dallagnol , Roberson Pozzobon e Laura Tessler. Os outros  são de estados como Amazonas, Amapá, Rio, São Paulo, Santa Catarina e Rio Grande do Sul.