Tamanho do texto

Filho de ex-militante desaparecido desde 1974, Felipe Santa Cruz manifestou solidariedade a integrantes trocados por Bolsonaro e Damares

O  presidente da OAB%2C Felipe Santa Cruz arrow-options
Reprodução/OAB
O presidente da OAB, Felipe Santa Cruz

Filho do perseguido políticoFernando Santa Cruz , que teve a certidão de óbito emitida pela Comissão de Mortos e Desaparecidos Políticos, na semana passada, o presidente da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Felipe Santa Cruz, manifestou solidariedade aos integrantes excluídos do órgão em decreto do governo de Jair Bolsonaro.

Leia também: Polícia Federal pede soltura de amigo do hacker alvo da Operação Spoofing

"Hoje foram afastados integrantes da comissão que há anos tenta dar respostas a pessoas sofridas como minha querida avó. Minha solidariedade aos que deixam tão relevante missão, com a certeza de que cumpriram seu papel", escreveu o presidente da OAB no Twitter.

Na postagem no Twitter, Felipe Santa Cruz lembrou a avó, Elzita Santa Cruz, que morreu aos 105 anos , em junho, sem ter notícias do filho Fernando. Desde 1974, quando o então estudante de Direito desapareceu no Rio de Janeiro, ela buscava notícias em cartas a ministros, apelos a generais e súplicas a presidentes.

Na mesma semana em que  fez ironias sobre a morte de Fernando Santa Cruz durante a ditadura , Bolsonaro decidiu trocar quatro dos sete membros da comissão e colocar no lugar militares e integrantes do PSL.

O órgão havia emitido , em 24 de julho,  um atestado de óbito  que contrastava com a  versão paralela  do presidente para o desaparecimento de Fernando Santa Cruz. O documento afirma que o estudante "faleceu provavelmente no dia 23 de fevereiro de 1974, no Rio de Janeiro/RJ, em razão de morte não natural, violenta, causada pelo Estado brasileiro, no contexto da perseguição sistemática e generalizada à população identificada como opositora política ao regime ditatorial de 1964 a 1985".

Ao deixar o Palácio do Planalto nesta quinta-feira, Bolsonaro disse que a mudança reflete a orientação política de seu governo.  "Agora o presidente é de direita", afirmou.

Leia também: Bolsonaro posta vídeo inédito de socorro e lembra dia de ataque em campanha

Em nota, a presidente substituída da comissão, Eugênia Gonzaga, disse que lamentava pelas famílias de mortos e desaparecidos. Para ela, "ao que tudo indica", a decisão do governo Bolsonaro foi "uma represália" .