Tamanho do texto

Danilo Cristiano Marques havia "emprestado" conta bancária para uso de Walter Delgatti Neto, que confessou invasões aos celulares de autoridades

Hakcer arrow-options
Daniel Marenco/Agência O Globo
Walter Delgatti Neto, o 'Vermelho', apontado como "líder" dos supostos hackers presos na Operação Spoofing

A Polícia Federal pediu à Justiça a revogação da prisão temporária de um dos quatro suspeitos de participação nos ataques hacker ao aplicativo  Telegram de autoridades públicas,Danilo Cristiano Marques.

Leia também: Bolsonaro deve formalizar indicação de Eduardo para na volta do Congresso

Preso na terça-feira passada na Operação Spoofing, Danilo havia emprestado sua conta bancária para uso por Walter Delgatti Neto, mas afirmou à PF desconhecer os ataques. Walter confessou à PF ter invadido o Telegram de diversas autoridades públicas, dentre elas o ministro da Justiça Sergio Moro e o procurador Deltan Dallagnol, coordenador da Lava Jato em Curitiba.

 A PF entendeu que não há mais justificativa para manter a prisão temporária  de Danilo Marques , que prestou depoimento e teve seu celular apreendido. O pedido está no Ministério Público Federal para manifestação a respeito. Em seguida, caberá  à 10ª Vara da Justiça Federal do DF decidir sobre a revogação. Caso o pedido seja deferido, a PF terá que providenciar o transporte dele de volta para São Paulo, segundo determinação da 10ª Vara.

Sobre os outros três alvos - Delgatti Neto e o casal Gustavo Henrique Elias Santos e Suelen Oliveira, ainda não houve definição da PF sobre se irá solicitar a soltura deles ou se pedirá conversão em prisão preventiva. As temporárias vencem nesta quinta-feira. Fontes ligadas à investigação avaliam que a tendência é mantê-los presos por mais tempo, para melhor elucidação dos fatos. Os policiais estão analisando o material apreendido e tentando acessar os celulares dos alvos.

Leia também: Quatro presos envolvidos em massacre de Altamira morrem durante transferência

As autoridades ainda estão encontrando dificuldades para rastrear as movimentações financeiras dos quatro alvos. A Justiça Federal não localizou as empresas responsáveis pelas criptomoedas deles, que podem ter sido um dos métodos usados para ocultar pagamentos pelos ataques hacker , na avaliação de investigadores. Por isso, a Justiça solicitou à PF que faça as diligências necessárias para localizar as empresas e bloquear valores ligados aos quatro alvos da operação.