Tamanho do texto

Na live, Presidentefalou ainda sobre temas recorrentes em seu discurso, como críticas a multas e defesa da exploração do garimpo

Bolsonaro coça o olho arrow-options
Jorge William / Agência O Globo - 1.8.19
Jair Bolsonaro usou a história de Itaipu para falar de criação de peixes


No mesmo dia em que o novo chanceler do Paraguai, Antonio Rivas Palacios, anunciou o cancelamento do acordo de seu país com o Brasil sobre a geração de energia em Itaipu, o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro , gravou uma live e decidiu citar a hidrelétrica para falar sobre a criação de peixes. Ao lado do secretário da Pesca, Jorge Seif Jr., ele ignorou a crise política do país vizinho e falou apenas sobre o cultivo de tilápia.

Leia também: Bolsonaro ameaça deixar o PSL se partido não "arrumar a casa"

Jorge Seif Jr. disse que o cultivo no lago da Usina de Itaipu pode dobrar a produção de pescado no Brasil.  

"A parte brasileira de Itaipu está 100% pronta para a gente cultivar tilápia. Só falta passar uma lei no Congresso do Paraguai ", disse o secretário.  

Leia também: Bolsonaro diz que negocia 'bom acordo' de energia com Paraguai

Ao lado, Bolsonaro disse que já havia conversado com o presidente do Paraguai, Mario Abdo Benítez, sobre o assunto. 

"Nós temos aquele mar de água, que não é cultivado nada ali. Então vamos cultivar lá para o Paraguai e para o Brasil . E cada um que faça o comércio que acha que deve fazer de pescado aí".

 Na live, Bolsonaro falou ainda sobre temas recorrentes em seu discurso. Criticou multas ambientais, radares em estradas, defendeu o garimpo em terra indígena, a transformação da Baía de Angra dos Reis em uma "Cancún brasileira", a exploração do grafeno e projetos de dessalinização da água do mar.

Mais cedo, Bolsonaro afirmou que o governo brasileiro está negociando com o Paraguai um novo acordo sobre o preço da energia da hidrelétrica binacional de Itaipu . Uma ata assinada em maio, em que o governo paraguaio concordava em pagar mais pela energia, deflagrou uma grave crise política no país vizinho e pôs o presidente Mario Abdo Benítez sob ameaça de impeachment .