Ministro Sergio Moro editou a portaria 666, que prevê a deportação sumária
Isaac Amorim/MJSP
Ministro Sergio Moro editou a portaria 666, que prevê a deportação sumária

A oposição apresenta, nesta segunda-feira (29), um projeto de decreto legislativo (PDL) com a intenção de sustar a portaria editada pelo ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro , que prevê a deportação sumária de “pessoa perigosa ou que tenha praticado ato contrário aos princípios e objetivos dispostos na Constituição”. O entendimento é que a medida visa retaliar o jornalista Glenn Greenwald, do site The Intercept Brasil , responsável por revelar mensagens entre Moro e o procurador Deltan Dallagnol.

Leia também: Bolsonaro ignora Constituição e diz que Glenn não pode proteger hacker

portaria nº 666 estabelece cinco condições que delimitam pessoas estrangeiras consideradas "perigosas". A deportação sumária ou impedimento de entrada no país é aplicável para envolvidos com terrorismo; grupo criminoso com acesso a armas; tráfico de drogas, pessoas ou armas; pornografia ou exploração sexual infanto-juvenil; e torcida organizada com histórico de violência em estádios esportivos.

Na última sexta-feira, o deputado federal Orlando Silva (PCdoB-SP), autor do projeto, procurou o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), para costurar um acordo para que o projeto seja pautado assim que os deputados voltarem aos trabalho, na semana que vem. Orlando diz ter ouvido de Maia que, se construir maioria entre os líderes, terá o projeto pautado para votação no plenário da Câmara. Para aprovação, o PDL precisa apenas de maioria simples.

Você viu?

Em nota, o Ministério da Justiça informou, sem citar diretamente Greenwald, que a portaria não permite deportação nos casos em que há "vedação legal, como de estrangeiro casado com brasileiro ou com filhos brasileiros". Greenwald é casado com o deputado federal David Miranda (PSOL-RJ), com quem tem dois filhos adotivos.

Leia também: Moro tinha dúvidas sobre a delação de Palocci, sugere vazamento de procuradores

"O texto está sendo discutido desde 2017. É um ano e meio de trabalho. Ela não é uma portaria isolada, faz parte de um contexto", argumentou André Furquim, diretor do Departamento de Migrações da Secretaria Nacional de Justiça, no comunicado divulgado pelo ministério.  

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários