Tamanho do texto

Ministro da Casa Civil aponta que não há mudança de protocolo até então

Onyx arrow-options
Alan Santos/PR
Após ataques de hackers, Onyx diz que cúpula do governo segue usando o WhatsApp

O ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni , disse que, apesar dos ataques hackers ao celulares do presidente Jair Bolsonaro , a comunicação entre integrantes do governo segue normalmente pelos telefones móveis. Ele afirmou ainda que o WhatsApp continua sendo o canal preferido para a troca de mensagens.

Leia também: "Não tem nada que comprometa", diz Bolsonaro sobre ataque hacker

O Gabinete de Segurança Institucional (GSI) alertava o presidente e seus ministros sobre os riscos de eles se comunicarem por meio de celulares pessoais não criptografados. O chefe do Planalto e o primeiro escalão usam aparelhos pessoais para trocar mensagens por WhatsApp até sobre temas confidenciais.

O Ministério da Justiça informou nesta quinta-feira que  celulares de Bolsonaro foram alvo de hackers . Dois ministros de Estado — Sergio Moro (Justiça) e Paulo Guedes (Economia) — relataram ter o celular invadido. Segundo Onyx, a rotina "até o momento" não foi alterada em função da revelação dos ataques.

"WhatsApp a gente usa regularmente, né? Quase todos, né? Até porque é o mais usado por toda a sociedade. Então, fora disso, não tem nenhuma medida nesse momento, até o presente momento de alteração da rotina que a gente vive hoje", disse Onyx , após participar de um evento evangélico em Brasília, na manhã desta quinta-feira.

O GSI informou que disponibiliza ao governo federal, por intermédio da Agência Brasileira de Inteligência (Abin),  um aparelho celular denominado Terminal de Comunicação Seguro (TCS)  e que cabe às autoridades "optar pelo equipamento e operá-lo conforme suas necessidades funcionais".

Ao ser questionado se houve uma mudança de protocolo na comunicação, o ministro disse que o tema talvez possa ser abordado na reunião ministerial na próxima semana.

Leia também: Invasão ao celular de Bolsonaro poderá ser enquadrada como terrorismo

"Não... Nós nos comunicamos normalmente, né? Não houve (mudança), de ontem pra cá. Pode ser que, com todas essas investigações, isso possa acontecer. Nós vamos ter uma reunião ministerial terça-feira, pode ser que a Abin ou o próprio Ministério da Justiça e Segurança possam trazer algumas alterações principalmente na comunicação entre os ministros e entre o presidente. Mas até o presente momento, não", disse Onyx .