Tamanho do texto

Flávio dos Santos, um dos suspeitos da morte do pastor Anderson do Carmo, já havia ficado sem uma advogada, que deixou o caso nesta terça-feira

Flávio dos Santos arrow-options
Cléber Mendes /Agência O DIA
Flávio Rodrigues, filho da deputada Flordelis, foi preso após enterro. Ele é apontado como um dos mandantes do crime

Flávio Rodrigues dos Santos, filho da pastora e deputada federal Flordelis dos Santos de Souza, dispensou nessa terça-feira (23) os dois advogados contratados pela mãe para defendê-lo da acusação de participação na morte do pastor Anderson do Carmo de Souza. Flávio, filho biológico apenas de Flordelis, contratou um novo profissional para cuidar de sua defesa.

Leia também: "Maduro se mantém no poder por possuir apoios externos", diz Ernesto Araújo

Flordelis contratou três advogados para cuidar da defesa do filho logo após a prisão do rapaz, dias depois do crime.  Um deles já havia deixado o caso na manhã da última segunda-feira, antes da decisão de Flávio.

O mesmo movimento de se distanciar de Flordelis já havia sido feito pelo outro filho da pastora, Lucas Cezar dos Santos Souza, que abriu mão do advogado contratado pela mãe no início deste mês, passando a ser defendido por outro profissional.

Lucas e Flávio estão presos temporariamente na Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo, responsável pela investigação do crime. O pastor Anderson do Carmo foi morto a tiros no dia 16 do mês passado. Flávio admitiu ter atirado contra o padrasto seis vezes. No corpo do pastor, no entanto, havia marca de 30 perfurações.

Nesta quarta-feira (24), a mãe de Anderson, Maria Edna do Carmo,  será ouvida por investigadores na DH. Ela mora em São Paulo e chegou ao Rio no último sábado para participar de um ato em homenagem ao pastor. O depoimento está marcado para ter início às 11h.

Em entrevista ao Extra no último fim de semana, Maria Edna afirmou ter ficado chocada ao descobrir que havia envolvimento de familiares na morte do filho. Ela afirmou ainda que a nora, a pastora Flordelis , não havia a procurado após o crime.

Leia também: Petrobras vende parte da BR Distribuidora em operação estimada em R$ 9,6 bilhões