Tamanho do texto

Ministro da Justiça ressalta antecedentes criminais de acusados

Moro arrow-options
Marcelo Camargo/Ag Brasil - 1.7.19
Moro parabenizou a Polícia Federal pela prisão de suspeitos de invadir seu Telegram

O ministro da Justiça,Sergio Moro , parabenizou na tarde desta quarta-feira a Polícia Federal pela prisão de suspeitos de invadir sua conta no Telegram, em sua primeira manifestação pública desde a Operação Spoofing , deflagrada na véspera. Pelo Twitter, o ex-juiz da Lava-Jato em Curitiba ressaltou os antecedentes criminais dos acusados e apontou que eles seriam a fonte de "supostas mensagens obtidas por crime".

Leia também:  DJ preso alega que viu mensagens de Moro em celular de amigo

 "Parabenizo a Polícia Federal pela investigação do grupo de hackers, assim como o MPF e a Justiça Federal. Pessoas com antecedentes criminais, envolvidas em várias espécies de crimes. Elas, a fonte de confiança daqueles que divulgaram as supostas mensagens obtidas por crime", escreveu Moro .

Moro destacou ainda que, na decisão do juiz, consta referência a 5.616 ligações efetuadas pelo grupo, segundo ele, "com o mesmo modus operandi"."Suspeitas, portanto, de serem hackeamentos. Meu terminal só recebeu três. Preocupante", destacou o ministro.

O juiz Vallisney de Souza Oliveira , da 10ª Vara Criminal do Distrito Federal, autorizou a prisão temporária dos quatro suspeitos de integrarem uma quadrilha supostamente responsável pela invasão hacker ao celular de Moro e outras autoridades.

O casal Gustavo Henrique Elias Santos e Suelen Priscila de Oliveira foi detido em São Paulo, Walter Delgatti Neto foi preso em Araraquara e Danilo Cristiano Marques foi capturado em Ribeirão Preto.

Leia também: Suposto hacker compartilhava vazamentos e respondia Moro e Deltan no Twitter

As investigações que resultaram na operação começaram após os ataques sofridos por Moro. Há pouco mais de dois meses, ele teria sido alvo de uma tentativa de invasão de suas contas no aplicativo Telegram.