Tamanho do texto

Preso nesta terça-feira, Walter Delgatti Netto respondeu procurador sobre histórico de mensagens do Telegram e criticava Jair Bolsonaro; entenda

suspeito arrow-options
Reprodução
Walter Delgatti Neto, conhecido com Vermelho, é um dos acusados de invadir o celular de Moro

Um dos suspeitos de invadir o celular do ex-juiz Sérgio Moro, Walter Delgatti Netto, preso nesta terça-feira (23) , compartilhava frequentemente os vazamentos do site The Intercept Brasil em sua conta do Twitter. O suposto hacker também já chegou a responder Moro e o procurador Deltan Dallagnol diretamente sobre como funcionava o histórico de mensagens do Telegram. 

Leia também: DJ e "Vermelho"! Conheça dois dos suspeitos da invasão do celular de Moro

O juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Criminal do Distrito Federal, autorizou a prisão temporária de quatro suspeitos de integrarem uma quadrilha supostamente responsável pela invasão hacker ao celular de Moro. Entre eles estão Gustavo Henrique Elias Santos, a esposa, Suelen Priscila de Oliveira, e Walter Delgatti Netto. A identidade do quarto suspeito não foi divulgada. 

Na rede social, Walter, também conhecido como "Vermelho", compartilhava todas as reportagens do The Intercept sobre os vazamentos de mensagens, além de vídeos e críticas contra o presidente Jair Bolsonaro. 

No dia 20 de junho, o suposto hacker respondeu um tweet de Deltan Dallagnol sobre os ataques ao seu celular. "Em abril deste ano, identificamos ataques virtuais às nossas contas no Telegram. Por razões de segurança pessoal e pelo risco de comprometimento de investigações em curso, a decisão na época foi de desativar a conta - o que exclui o histórico tanto na nuvem quanto no celular", escreveu o procurador. 

Walter, por sua vez, explicou que, mesmo apagando todo o histórico, "os caches ficam no celular". "eles são arquivos fragmentados, sem o conteúdo da mensagens, mas com todas saídas e entradas de mensagens, EX: 23/04/2016 15:15:17 saiu uma mensagem, 15:30:18 recebeu uma, e se comparado com o material vai confirmar autenticidade!", escreveu. 



Neste mês,  "Vermelho" respondeu a um tweet de Glenn Greenwald , em que o jornalista mencionou Moro e compartilhou uma matéria da Revista Veja sobre o ex-juiz. "Sergio Moro, assume tudo logo, colabora com a justiça, conta tudo o que sabe. Cada dia que passa está ficando mais ridículo sua defesa apresentada. A casa caiu, tampar o sol com a peneira não vai adiantar", escreveu.



"Deve ser difícil ter que fazer coisas que você não queria fazer né? Tentar maquiar tudo que está acontecendo? Fingir que tudo está bem? Da para ver no seu rosto que nada está bem, deprimente isso! #juizdesesperado", escreveu o suspeito diretamente a Moro, em outra ocasião. 

Leia também: Polícia interrompe reunião sobre ato contra Bolsonaro e interroga participantes

Walter Delgatti Netto foi detido em Piracicaba em 2012, ao pagar a conta de um hotel com o cartão de crédito de um homem de 75 anos, e foi condenado a um ano de prisão em regime aberto por falsidade ideológica. Ele também foi detido pelo mesmo crime em 2015, em Santa Catarina.

Já em 2017, ele acabou preso por drogas e falsificação de documentos e também foi condenado. Agora, o suposto hacker e os outros três suspeitos foram transferidos para Brasília, onde prestarão depoimento sobre a invasão ao celular de Moro.