Tamanho do texto

Ex-presidente não terá mais que se preocupar com a acusação de ter lavado R$ 20 milhões de contratos firmados entre a Odebrecht e a Exergia Brasil

Lula arrow-options
Gabriel de Paiva/Agência O Globo
Lula foi absolvido de dois crimes na Operação Zelotes

No processo da Operação Janus em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva é réu por supostamente ter ajudado a Odebrecht em Angola, o juiz Vallisney de Souza Oliveira, da 10ª Vara Federal de Brasília, absolveu o petista de parte das acusações, mas determinou a continuidade da maior parte do processo. Na mesma decisão, ele mandou suspender a ação contra o empresário Marcelo Odebrecht, em razão do acordo de delação premiada que ele fechou com o Ministério Público Federal (MPF).

Leia também: Gleisi Hoffmann, presidente do PT, não irá à reunião do Foro de São Paulo

Lula, seu sobrinho Taiguara Rodrigues dos Santos e outros dois réus eram acusados do delito de organização criminosa. Mas Vallisney ponderou que já há outro processo na Justiça
Federal que trata disso. Assim, os absolveu dessa acusação. O juiz também considerou falha a acusação do MPF em relação a uma das supostas práticas de lavagem de dinheiro. Em
razão disso, seis dos dez réus da ação estão totalmente livres de acusações. Outros três, inclusive Lula , ainda continuarão respondendo à ação.

O ex-presidente não terá mais que se preocupar com a acusação de ter lavado R$ 20 milhões de contratos firmados entre a Odebrecht e a empresa Exergia Brasil , de Taiguara. Na
avaliação de Vallinsey, "fica patente a inépcia da denúncia" em razão de Lula "estar longe especificamente desses fatos, por não ter tido participação nas assinaturas e nos
contratos". O juiz também considerou que há evidências de que ele "não executou nem acompanhou a obra, não estando devidamente clara a descrição do delito e suas
circunstâncias".

Leia também: Governadores do Nordeste precisam se aproximar do Parlamento, diz secretário

Por outro lado, Lula continuará réu por suspeita de lavagem de cerca de R$ 7,7 milhões e US$ 355 mil, e também pelas acusações de corrupção e tráfico de influência. Já Marcelo
Odebrecht, mesmo com o processo suspenso, terá que prestar depoimento.

"Quanto às demais acusações promovidas contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, há suporte probatório acima do mínimo para o início e prossecução da ação penal, havendo
ainda justa causa, como se assentiu no ato de recebimento da denúncia, que agora se reafirma. Não se trata de especulação, mas de acusação com provas basilares constantes da
fase investigatória. A denúncia impugnada não é uma peça solta e infundada, mas um relato técnico-jurídico assentado em inquérito policial e na atuação do Ministério Público, de
modo que está formalmente apto e capaz de levar adiante a busca da verdade judicial dos possíveis/apontados ilícitos de corrupção passiva, de tráfico de influência e de lavagem
de dinheiro, nos termos cabais e específicos da denúncia", diz trecho da decisão do juiz.

Depois prossegue: "Basta uma leitura da extensa denúncia para se verificar a exposição consistente dos fatos ilícitos de corrupção, tráfico de influência e lavagem de capitais,
assentados nos elementos trazidos no inquérito policial."

O magistrado também determinou o desmembramento do processo em dois: um cuidará apenas de Lula, e o outro de seu sobrinho e de José Emmanuel Camano Ramos. Ele citou dois motivos para isso. O primeiro deles é o grande número de testemunhas pedidas pela defesa: a de Lula quer ouvir 47 pessoas e a dos outros réus, representados pelo mesmo advogado, também solicitou o depoimento de dezenas de testemunhas. O outro motivo é que Lula é acusado de vários crimes, enquanto, no caso Taiguara e José Emmanuel, sobrou apenas a acusação de lavagem.

Leia também: Moro parabeniza Polícia Federal pela prisão de suspeitos de invadir seu celular

A denúncia foi aceita inicialmente pelo próprio Vallisney em outubro de 2016. Mas houve vários contratempos desde então que vêm atrasando sua conclusão. O processo chegou, por
exemplo, a sair das mãos de Vallisney e foi entregue a outro juiz federal de Brasília, tendo voltado a ele posteriormente. Segundo as investigações, Lula teria recebido dinheiro
da construtora para defender interesses da empreiteira em Angola.

    Leia tudo sobre: Lula