Tamanho do texto

Depois de atacar manutenção do 'café da manhã com jornalistas', deputado voltou a criticar porta-voz do governo e a "comunicação ruim" feita por ele

Carlos Bolsonaro arrow-options
Reprodução/Twitter
Carlos disse que comunicação do governo é ruim e que deve permanecer assim: "seremos massacrados"

Nos últimos dias, o porta-voz da Presidência da República, Otávio do Rêgo Barros , tem sido alvo de diversas críticas dentro do governo, principalmente entre fortes aliados do presidente Jair Bolsonaro. Entre eles, se destacam o deputado Marco Feliciano (Podemos-SP), que disse que "porta-voz serve para proteger e não para expôr, e o vereador Carlos Bolsonaro, talvez o maior crítico de Rêgo Barros.

Leia também: Filho de Flordelis pede justiça pela morte do pai e ataca irmãos: "eram aquém"

Depois de criticar o porta-voz, e o próprio pai, pela realização do café da manhã semanal com jornalistas, que, segundo ele, só serve para que as frases do presidente sejam tiradas de contexto e utilizadas contra ele, Carlos Bolsonaro voltou ao twitter para novo ataque ao 'algoz'. Desta vez, ele disse que não tem qualquer problema com a pesso, mas sim com o 'modus operandi'.

"Não critico homens mas modus operandis, me colocando sempre em situações difíceis. Quando a militância espontânea cansar de defender o Governo , que faz um bom trabalho, nada sobrará, pois sua comunicação é e pelo jeito continuará sendo ruim e então seremos massacrados pela mídia", disparou o deputado.

O recado deixa claro, mais uma vez, o descontentamento de Carlos com as posições do general Rêgo Barros , a quem critica por expôr demais a imagem do pai e do próprio governo. Além disso, ressaltou que não pretende desistir de defender o governo, mesmo com todos os problemas: "seguir até onde a força existir".

"Soma-se isso ao boicote explícito de divilgações de direita nas redes sociais e teremos um processo acelerado de enfraquecimento de informações. Não levar o exposto em consideração é algo extremamente grave, consciente ou inconscientemente. Apenas seguir até onde a força existir!", finalizou Bolsonaro .

Leia também: O que muda com a reforma: pedágio pode dobrar tempo que resta para aposentar