Tamanho do texto

Presidente afirmou que se referiu apenas aos governadores da Paraíba e do Maranhão no comentário feito em conversa o ministro da Casa Civil

Bolsonaro arrow-options
Marcos Corrêa/PR - 19.7.19
Bolsonaro disse, neste sábado (20), que suas declarações sobre "governadores de paraíba" foram mal interpretadas

O presidente Jair Bolsonaro disse, na tarde deste sábado (20), ao sair do Palácio da Alvorada, que suas declarações sobre "governadores de paraíba" foram mal interpretadas. Bolsonaro disse que sua intenção era se referir ao governador do Maranhão, Flávio Dino, e ao da Paraíba, João Azevêdo, e não ao povo nordestino. 

Leia também: Público reage a comentário de Bolsonaro com frases exaltando Nordeste

"Eu fiz uma crítica ao governador do Maranhão e da Paraíba. Vivem esculhambando obras federais, que não são deles, são do povo. A crítica que eu fiz foi aos governadores, nada mais. Em três segundos, vocês da mídia fazem uma festa. Eles são unidos, eles têm uma ideologia, perderam as eleições. Tentam o tempo todo, através da desinformação, manipular eleitores nordestinos. O parlamento não é tão raso como estão pensando", diz Bolsonaro .

Leia também: Bolsonaro em vazamento: "Dos governadores de 'paraíba', o pior é o do Maranhão"

Na sexta-feira (19), o presidente usou o termo "paraíba" ao se referir aos governadores. "Daqueles governadores de 'paraíba', o pior é o do Maranhão; tem que ter nada com esse cara", afirma o presidente durante conversa com o ministro da Casa Civil Onyx Lorenzoni.

Ao ser questionado por uma jornalista sobre a declaração, Bolsonaro disse: "Se eu chamar você de feia agora, todas as mulheres do Brasil estarão contra mim. Eles acham que o Nordeste é uma massa de manobra. Na verdade, a imprensa brasileira está com saudade do PT e do Lula."

Leia também: Grupo terrorista tem plano para matar família Bolsonaro e ministros, diz revista

Pelo Twitter, Flávio Dino escreveu na sexta-feira que, "independentemente de suas opiniões pessoais, o presidente da República não pode determinar perseguição contra um ente da Federação". "Seja o Maranhão ou a Paraíba ou qualquer outro Estado. 'Não tem que ter nada para esse cara' é uma orientação administrativa gravemente ilegal", argumenta.