Tamanho do texto

Em entrevista, líder de uma das maiores igrejas evangélicas do Brasil lembrou voto no ex-presidente: "votei acreditando e ele foi uma decepção"

Pastor Malafaia arrow-options
Fabio Rodrigues Pozzebom/Agência Brasil - 25.6.2015
Pastor falou sobre descontentamento com Lula e defendeu o ministro Sergio Moro

O pastor Silas Malafaia, líder da Assembleia de Deus Vitória em Cristo, um dos maiores grupos evangélicos do país, é um dos nomes mais ativos da fé no mundo da política. Com isso, foi responsável pela eleição de diversos nomes que apoiou. Porém, em entrevista à coluna Informe do Dia , disse que alguns nomes acabaram sendo uma 'decepção', como o ex-presidente Lula.

"Acreditei que o Lula pudesse resgatar o país por ser um cara de origem pobre, mas depois eu fui ver que ele não saia da sua ideologia. Apoiei acreditando, como grande parte dos brasileiros. Se eu disser que não acreditei, sou mentiroso. Quando votei no Serra e no Aécio, não tinha outra opção: ou votava na esquerda, que já tinha posto as unhas de fora, ou votava neles. No Lula, votei acreditando. Para mim, ele foi a decepção", disse Malafaia .

Leia também: À bancada evangélica, Bolsonaro fala em "trazer a população para o nosso lado"

Sobre o  'ministro evangélico' que Bolsonaro disse que indicará ao Supremo Tribunal Federal, o pastor afirmou que não vê problema na questão, ressaltando que a religião não deve ser um impeditivo: "Pode ser terrivelmente evangélico , mas tem que ser terrivelmente preparado. Eu não tenho nada contra. Na Suprema Corte, tem gente católica, tem judeu. Ter um evangélico não é nada demais, não".

Ainda no âmbito da religião, Malafaia chamou de "safadeza, preconceito e bandidagem" a ideia que existe de que o governo estaria  'afrouxando' as obrigações fiscais de igrejas no Brasil . Segundo ele, o que existe é a imunidade tributária constitucional: "Não está afrouxando porcaria nenhuma. Está cumprindo o que a Constituição garante à igreja evangélica, à católica, a um centro espírita. Isso aí é todo um jogo para desgastar o presidente".

Por fim, o pastor ainda aproveitou para tratar sobre o ministro Sergio Moro . Mantendo o perfil polêmico de costume, Malafaia disse que os vazamentos das conversas do ex-juiz com os procuradores da Lava Jato são "montagens e safadezas".

Leia também: Entre os mais ricos, aprovação de Bolsonaro salta 11 pontos e chega a 52%

"O que fizeram é crime. A prova de que ele não está desgastado são as manifestações a favor dele. Pode estar desgastado por um viés de imprensa de esquerda, que quer desgastar. Mas desgastado em quê? Não conheço o desgaste de Sergio Moro. O povo não reprova o cara", finalizou Malafaia .

    Leia tudo sobre: Lula