Tamanho do texto

Assessoria do ministro da Justiça e Segurança Pública esclareceu que o ministro estará de licença não remunerada para viajar com a família

Sergio Moro com Bolsonaro
Isaac Amorim/MJSP
Sergio Moro pediu licença do Ministério da Justiça e Segurança Pública


A licença de cinco dias do ministro da Justiça Sergio Moro, entre 15 e 19 de julho, será para "reenergizar o corpo" e "prosseguir no combate", justificou, na noite desta segunda-feira (8), o porta-voz da Presidência, Otávio Rêgo Barros.

 Segundo despacho do presidente Jair Bolsonaro , publicado no "Diário Oficial da União", o ministro Sergio Moro vai tratar de "assuntos particulares". O retorno está previsto para o próximo dia 22.

Leia também: Mesmo após vazamentos, Moro é o ministro melhor avaliado do governo Bolsonaro

"Trabalhar, trabalhar, trabalhar é importante. Mas descansar também faz parte do contexto de reenergizar o nosso corpo para prosseguirmos no combate", disse o porta-voz.

Rêgo Barros explicou que o ministro Moro tinha previsão de férias com a família em janeiro, mas, como assumiu o cargo no governo, o planejamento foi adiado.

Leia também: Moro pede afastamento do cargo de ministro por "motivos pessoais"

"Moro estava com previsão de férias para janeiro, junto com sua família. E em face da assunção do Ministério da Justiça e Segurança Pública houve por bem adiar, o que seria natural, destinando essa próxima semana para que se realize este evento, que naturalmente é importante a todos nós".

A assessoria de Moro esclareceu que o ministro não pode tirar férias, e que estará de licença não remunerada na próxima semana para viajar com a família. O secretário executivo Luiz Pontel responderá interinamente pelo ministério no período.

Leia também: Moro e Lava Jato teriam atuado para expôr dados sigilosos da Venezuela

Vazamento de conversas

O ministro integrou no domingo a comitiva do presidente Jair Bolsonaro para assistir a final da Copa América, no Maracanã, em um teste de popularidade. O motivo seriam as reportagens do Intercept, do jornal “Folha de S.Paulo” e da revista “Veja” sobre supostas conversas no aplicativo Telegram que mostram Moro orientando ações da Operação Lava-Jato.

Moro e procuradores da Lava-Jato não têm reconhecido as mensagens divulgadas. Em entrevistas e depoimentos no Senado e na Câmara, o ministro afirmou não ter nada a esconder sobre as conversas atribuídas a ele e aos procuradores da Lava-Jato.Pesquisa Datafolha divulgada no último sábado apontou que 63% dos entrevistados tomaram conhecimento dos diálogos atribuídos pelo site The Intercept Brasil. Desses, 58% disseram que a conduta do ex-juiz foi inadequada. Já 31% dos entrevistados aprovam a postura de Moro e 11% não souberam opinar sobre o assunto.