Tamanho do texto

Em conversa com Dallagnol, ministro se posiciona sobre o tema, afirmando que esperava que os rumores não procedessem: "como sabe, sou contra"

Eduardo Cunha
Lula Marques/Agência PT - 3.3.16
Novo vazamento expõe posicionamento de Moro sobre possível delação premiada do ex-presidente da Câmara

Um novo vazamento envolvendo conversas do ministro Sergio Moro e os procuradores da Operação Lava Jato foi  divulgado nesta sexta-feira (5) pela revista Veja, em parceria com o site The Intercept. Além de mostrar a ação do então juiz em algumas ações, o novo trecho mostra o posicionamento contrário a uma possível delação premiada do ex-deputado Eduardo Cunha.

Leia também: Lava Jato desconfiou de peça-chave no processo contra Lula, indicam mensagens

Moro teria "cruzado a linha da imparcialidade" em relação aos acordos de delações fechados com o MPF. No dia 5 de julho de 2017, em uma conversa privada com Dallagnol às 23h11, teria comentado e se posicionado a respeito de rumores de uma possível delação do ex-deputado e ex-presidente da Câmara Eduardo Cunha (MDB).

A informação teria sido revelada a Dallagnol pelo procurador Ronaldo Queiroz , que afirmou que Cunha poderia entregar "um terço do Ministério Público estadual, 95% dos juízes do Tribunal da Justiça, 99% do Tribunal de Contas e 100% da Assem­bleia Legislativa".

"Rumores de delação do Cunha... espero que não procedam", diz o então juiz. Dalla­gnol afirma que tudo não passa de rumores. "Só rumores. Não procedem. Cá entre nós, a primeira reunião com o advogado para receber anexos (nem sabemos o que virá) Acontecerá na próxima terça. estaremos presentes e acompanharemos tudo. Sempre que quiser, vou te colocando a par”, afirma o procurador.

Moro , então, reforça seu posicionamento. "Agradeço se me manter (sic) informado. Sou contra, como sabe".

Leia também: Em novo vazamento, Moro chama de "tontos" militantes do MBL que o defenderam

    Leia tudo sobre: Eduardo Cunha