Tamanho do texto

Ciro Gomes chamou Holiday de "capitão-do-mato nazista" em entrevista nesta semana; o vereador já ganhou um processo contra o cearense

Fernando Holiday
Reprodução/Instagram
Fernando Holiday ganhou processo anterior contra Ciro Gomes

O vereador Fernando Holiday afirmou que vai voltar a processar o ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT-SP) Holiday foi mais uma vez alvo de críticas tecidas por Ciro no início desta semana.

Chamado de "capitão-do-mato nazista" , Fernando Holiday classificou as declarações como “extremamente covardes”. “O Ciro teve a oportunidade de me enfrentar nos tribunais e fugiu todas as vezes que foi chamado para audiências de conciliação, por exemplo. Está fugindo de pagar a indenização do primeiro processo que ele já perdeu em primeira e segunda instância. Eu sinceramente não entendo o porquê ele está causando essas polêmicas”, afirmou.

O vereador afirmou que vai processar novamente o político cearense “dessa vez por um valor bem maior”, que deve chegar a R$ 100 mil.

A declaração de Ciro Gomes foi justamente uma resposta ao jornalista que o indagou a respeito do processo e condenação contra o pedetista, em cima da primeira vez que usou essa expressão contra Holiday. Processado,  Ciro foi obrigado a pagar R$ 38 mil em indenização por danos morais a Holiday, em ação movida no Tribunal de Justiça de São Paulo.

MBL e Sergio Moro

O vereador paulistano reforçou a declaração do Movimento Brasil Livre (MBL) de que seus membros  levaram com bom humor a mensagem do ministro da Justiça, Sergio Moro, sobre o grupo. Em mais um vazamento de mensagens entre Moro e o procurador Deltan Dallagnol, o ex-ministro se refere ao MBL como “tontos”.

“A gente não se sentiu ofendido, levamos na brincadeira. E, claro, sempre partimos do princípio de que como não se sabe como essas mensagens foram conseguidas, talvez elas possam ser adulteradas, não estejam de forma integral”, disse Holiday. “Acho que o pedido de desculpas do ministro também deixa claro que ele respeita o movimento”, completou.

Sobre as manifestações programadas para acontecer neste domingo, Fernando Holiday disse que o grupo não vai à rua defender uma pessoa, no caso Sergio Moro, e sim a Operação Lava Jato.