Tamanho do texto

"Não tem efetivo para manter todo o tempo um esquema de vigilância", disse

Augusto Heleno
Marcos Corrêa/PR
Augusto Heleno diz que FAB vai aperfeiçoar controles prisão de militar

Os ministro do Gabinete de Segurança Institucional (GSI), Augusto Heleno, afirmou que "houve um problema" no caso do sargento daAeronáutica Manoel Silva Rodrigues, de 38 anos, preso com 39 quilos de cocaína em uma voo de apoio à equipe da comitiva presidencial e que a situação "não é normal". Heleno afirmou, no entanto, que "o governo não tem efetivos suficientes para controlar todo mundo nos aviões oficiais". O ministro disse que a Força Aérea vai aperfeiçoar seus controles.

Leia também: STJ mantém pena de 19 anos de Elize Matsunaga, condenada por esquartejar marido

"Todo mundo tem a sua mala revistada, inclusive nós e a do presidente da República. Agora, esse sargento era da comissaria. Ele chega muito antes. Não tem efetivo para manter todo o tempo um esquema de vigilância", afirmou Heleno em Osaka, no Japão, onde Bolsonaro participa de cúpula do G20.

Ao ser questionado por jornalistas sobre a prisão do sargento com cocaína num avião oficial, na Espanha, evento com repercussão mundial negativa para o governo de Jair Bolsonaro , o general observou que o presidente ficou “preocupado, mas não aborrecido”.

"Isso acaba por ter uma repercussão mundial , deveria não ter tido, foi um fato muito desagradável", afirmou.

O porta-voz do governo, general Otávio Rêgo Barros, disse, no entanto, que a irritação do presidente, ao chegar à cidade japonesa, não tinha relação com caso , mas com o cansaço.

Para Heleno, foi uma falta de sorte ter acontecido nesse momento, mas acha que o caso só afetaria a imagem do Brasil no G20 “se não estivessemos sabendo a quantidade de droga que tem no mundo”.

O ministro da Defesa também comentou o caso do militar preso na Espanha. Em entrevista à BBC Brasil, o ministro Fernando Azevedo e Silva disse que atitude do sargento não representa os valores das Forças Armadas.

Leia também: Jovem morre após ser atacada por três tubarões nas Bahamas

"É importante esclarecer que esse é um caso isolado. O que o sargento fez não representa os valores dos cerca de 400 mil militares das Forças Armadas, que são pautados por princípios éticos e morais", afirmou Heleno .