Tamanho do texto

Gervásio Maia (PSB-PB) pede que Ministério da Justiça garanta segurança ao jornalista e ao marido David Miranda após relatos de ameaças de morte

Glenn Greenwald
Reprodução/Youtube
Glenn Greenwald e o marido David Miranda receberam ameaças de morte após reportagens do The Intercept Brasil que atingiram a Lava Jato e Sérgio Moro


O deputado Gervásio Maia (PSB-PB) enviou um requerimento ao Ministério da Justiça e Segurança Pública, nesta terça-feira (25), pedindo "garantia de vida" ao jornalista Glenn Greenwald e ao seu marido, o deputado federal David Miranda (PSOL-RJ). Ambos relataram ameaças de morte após reportagens do site The Intercept Brasil  que revelam conversas entre o ex-juiz federal Sérgio Moro e procuradores da operação Lava Jato.

Leia também: Deputado faz requerimento para Moro ser convocado a comparecer na Câmara

Norte-americano, Glenn Greenwald mora no Brasil há mais de 10 anos e se tornou alvo após assinar e revelar matérias que indicam, trocas de mensagens entre o procurador Deltan Dallagnol e Sérgio Moro. Algumas, inclusive, tratam-se de condenações e possuem relação com as investigações contra o ex-presidente Luiz Inácio Lula.

Como Moro hoje é ministro da Justiça, cabe a ele atender o requerimento ou não. Caso pedido seja respeitado, o jornalista e seu marido passam a ter garantia de segurança do Estado.

Leia também: Após polêmica com Moro, órgão do governo pede 'cautela' de servidores

"É dever do Estado manter a segurança do jornalista e de toda família. A liberdade de imprensa não pode ser ceifada, jornalistas não podem ter seu direito cerceado, muito menos serem ameaçados de morte. Esperamos que o Ministério da Justiça cumpra seu papel de proteger a democracia brasileira”, defende Gervásio Maia no requerimento.

Leia também: Lava Jato repudia vazamentos sobre afastamento de procuradora: "Notícia falsa"

Nesta terça-feira (25), Glenn Greenwald participa de uma audiência na Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados para responder dúvidas sobre as reportagens do The Intercept Brasil e explicar as ameaças de morte recebeidas após as publicações.