João Doria perde ação que pedia retirada de texto do ar
Divulgação/Governo de São Paulo
João Doria perde ação que pedia retirada de texto do ar


A Justiça rejeitou um pedido feito pelo governador de São Paulo, João Doria (PSDB), para tirar do ar uma publicação no site "Diário Causa Operária", ligado ao PCO. Intitulado "Sobre a brutal morte do prefeito João Doria" e publicado em 28 de abril de 2017 pelo colunista William Dunne, época em que o tucano estava à frente da prefeitura paulistana, o texto ficcional narra a morte de Doria em meio a uma greve geral.

Leia também: Doria vira cidadão carioca e aponta Paulo Marinho para reerguer PSDB no Rio

 Na ação, a defesa de Doria argumentou que "o texto trata-se de um conto fantasioso, no qual o criador abusa da violência empregada", estimulando os leitores do site a fazerem uma "caça" ao tucano. Para os advogados do governador, a publicação viola a integridade física de Doria e a "liberdade de expressão" não deve proteger a incitação à violência.

Narra o texto do site do PCO : "A violência era chocante e obscena. De repente, o prefeito foi apanhado pelos braços e pelas pernas, e começou a ser balançado de um lado pro outro. Quando já tinha pego o impulso necessário, o alcaide foi arremessado da ponte."

Leia também: Doria diz que Alckmin deveria se licenciar do PSDB até conclusão de investigação

Ao analisar o caso, a juíza Samira de Castro Lorena afirmou que o governador deveria buscar "outros meios que não a censura" para responder à publicação. Segundo ela, a defesa poderia pleitear um "direito de resposta" ou buscar uma indenização para "reparação de eventuais danos morais ou materiais".

Você viu?

"Há outros instrumentos de controle que não importem restrições imediatas à livre circulação de ideias que podem ser utilizadas pelo ofendido, como a responsabilização civil ou penal e o direito de resposta", disse a juíza.

Leia também: Doria navega pelo Rio Pinheiros e promete despoluição completa até 2022

Ela também diz que o uso abusivo da liberdade de expressão pode ser reparado por "mecanismo diversos, que incluem a retificação, a retratação, o direito de resposta, a responsabilização civil ou penal e a interdição da divulgação". Segundo ela, "embora o conteúdo seja fantasioso e de mau gosto", a divulgação não causa prejuízo à integridade física ou psíquica de Doria.

A defesa de João Doria afirma que respeita a decisão, mas vai recorrer ao Tribunal de Justiça.

"Basicamente, o que ocorre é que, na verdade, trata-se de uma incitação à violência. Embora sua Excelência tenha entendido que é (uma publicação) de mau gosto, ela causou repercussão bastante negativa à imagem e sentimento do governador", declarou Márcio Pestana, advogado de Doria.

Pestana diz que não se deve considerar isoladamente o referido texto, mas sim "as demais notas publicadas por esse mesmo veículo, em que chama e rotula o atual governador de fascista e golpista".

O site do PCO replicou nesta sexta-feira a informação do pedido negado pela Justiça e aproveitou para sugerir a seus leitores a leitura do conteúdo, "enquanto Doria não consegue censurar o texto".

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários