O novo ministro Jorge Antonio de Oliveira Francisco, o presidente Jair Bolsonaro, e o novo presidente dos Correios Floriano Peixoto
Divulgação
O novo ministro Jorge Antonio de Oliveira Francisco, o presidente Jair Bolsonaro, e o novo presidente dos Correios Floriano Peixoto

O presidente Jair Bolsonaro confirmou na manhã desta sexta-feira a saída do ministro Floriano Peixoto da da Secretaria-Geral da Presidência. Ele deixa o cargo para assumir o comando dos Correios. Também foi anunciado que o atual subchefe de assuntos jurídicos da Casa Civil,Jorge Antonio de Oliveira Francisco, será o substituto.

Leia também: Liminar de Gilmar Mendes permite que Goiás entre no Regime de Recuperação Fiscal

Floriano Peixoto  é o quarto ministro de Bolsonaro a deixar o cargo — e o segundo da pasta. Ele substituia Gustavo Bebianno, primeiro ministro a cair na atual gestão, ainda em fevereiro.

"Anuncio o advogado e Major PMDF Jorge Antonio de Oliveira Francisco para o cargo de Ministro-chefe da Secretaria Geral da Presidência da República. Outrossim, informo que o General Floriano Peixoto assumirá a Presidência dos Correios", informou Bolsonaro, em nota enviada por sua assessoria.

No pronunciamento, iniciado às 10h10, Bolsonaro chamou Floriano Peixoto e Jorge para ficaram de pé ao seu lado. O presidente disse que deu "uma missão" ao agora ex-ministro, evocando o linguajar militar.Jorge, por sua vez, foi apresentado como alguém próximo a ele há 15 anos. Bolsonaro afirmou que a troca foi motivada pela saída do general Juarez.

Você viu?

"Não há previsão de mudar mais ninguém",  declarou Bolsonaro, na entrevista coletiva.

Jorge Oliveira informou que, "no primeiro momento", vai acumular o comando da Secretaria-Geral com a subchefia de assuntos jurídicos.

Bolsonaro havia anunciado a demissão do presidente dos Correios , o também general Juarez Aparecido de Paula Cunha, ao fim de café da manhã com jornalistas que cobrem o Planalto na última sexta-feira.

Segundo o presidente, a exoneração foi motivada pela recente à ida de Juarez à Câmara dos Deputados, a convite de partidos da oposição. Bolsonaro disse que o general se comportou "como um sindicalista" na ocasião e posou para fotos com deputados do PT e do PSOL.

Leia também: Bolsonaro: 'Jogadinha de ser maluco' de Adélio é para não fazer delação premiada

Esta semana, o governo editou uma Medida Provisória (MP) que transferiu a Subchefia de Assuntos Jurídicos (SAJ) da Casa Civil, comandada pelo ministro Onyx Lorenzoni, para Secretaria-Geral, fortalecendo a pasta. Ao órgão, hoje chefiado por Jorge Oliveira, um dos mais próximos auxiliares de Bolsonaro , compete verificar previamente a constitucionalidade e legalidade dos atos presidenciais.

    Veja Também

    Mais Recentes

      Comentários