Tamanho do texto

Aumenta o número de parlamentares que utilizam as redes sociais obsessivamente no exercício de seus mandatos; esse fato comprova que toma corpo um novo tipo de populismo — o digital

IstoÉ

Alessandro Molon e Henrique Fontana tiram selfie
Evandro Éboli
Alessandro Molon (Rede) e Henrique Fontana (PT) compartilham live durante votação na Câmara

Não é só o presidente Jair Bolsonaro que governa pela internet. Legisla-se da mesma forma no Brasil. Os deputados federais estão apostando suas fichas na capacidade de influência digital para se promover política e pessoalmente e vitaminar os seus mandatos. Em certos momentos, os resultados do exercício parlamentar chegam a se confundir com a presença nas redes sociais e com o número de likes, visualizações ou comentários feitos nas postagens.

Leia também: Para além do caso Queiroz, Flávio Bolsonaro se firma como articulador no Senado

Há uma falsa sensação de democracia direta e uma vontade plebiscitária que se dissemina rapidamente entre alguns legisladores junto à ideia de que a interação midiática significa a participação popular — trata-se, enfim, de um novo tipo de populismo, passando por cima dos patamares que compõem a democracia e criando uma arriscada linha direta com a população. Com celulares nas mãos e paus de selfie , diversos políticos estão sempre fazendo enquetes para orientar sua posição em cada projeto que votam. O risco desse procedimento é se deixar guiar por perfis falsos e robôs.Ou de se confundir a opinião manifestada nas redes com a vontade real dos eleitores e da maioria.

A deputada federal Renata Abreu (Podemos-SP) é uma usuária incansável das mídias sociais — e, como seus correligionários, acredita na força das pesquisas e no engajamento dos seguidores para fazer política. “Tem gente que ganha voto promovendo polêmicas. Nós preferimos promover o relacionamento em massa”, diz ela. “A ideia não é jogar para a plateia, mas sim permitir que o legislador possa se expressar com imparcialidade” — fica a dúvida à qual imparcialidade ela se refere, pois não existe nada mais parcial e extremista do que as redes. Renata acredita que é uma nova forma de se exercer a democracia. Um aplicativo do Podemos permite que se realizem sondagens com o público para verificar em tempo real o apoio ou a rejeição a algum projeto. Renata possui equipe de produção de conteúdo, cinegrafistas, em Brasília e em São Paulo, além de jornalistas.

Como a deputada, diversos parlamentares têm ampliado sua estrutura de mídia para aparecer melhor. Nomes como a da líder do governo no Congresso, Joice Hasselmann (PSL-SP), montaram equipes específicas para isso. Joice tem uma assessora exclusiva para trabalhar com as suas redes. O senador Jorge Kajuru (PSB-GO) montou um estúdio de tevê em seu gabinete para gravar os seus vídeos. Ele dispõe de uma equipe de doze pessoas e produz cinco vídeos por dia. Outros políticos têm aproveitado as redes para transmitir reuniões e encontros importantes. O deputado Júnior Bozzella (PSL-SP) é um deles: “Desde que tomei posse me propus a um trabalho diferenciado, um mandato participativo, que contasse com a interação direta da população”.

Leia também: Bolsonaro: 'Jogadinha de ser maluco' de Adélio é para não fazer delação premiada

Adesão maciça

Uma pesquisa realizada pela consultoria de lobby Celuppi Advogados mostra que os parlamentares de todo o Brasil aumentaram fortemente a sua presença nas redes sociais desde as últimas eleições. O levantamento, que considera uma base de 596 deputados federais e senadores, mostra que 98% deles têm páginas oficiais no Facebook, 93% no Twitter e 91% no Instagram. Três quartos deles têm um uso muito freqüente e outros 12%, diariamente. “O problema é que as redes são usadas como ferramentas de influência para assuntos específicos e não contemplam todas as atividades e os nuances da atuação parlamentar”, diz Juliana Celuppi, responsável pelo estudo. Como afirma o deputado Túlio Gadêlha (PSB-PE), as redes abrem canais de diálogo com os seguidores.

Gadelha é um publicador dedicado do Instagram e de publicadores de vídeos, como o IGTV, que permite gravações de até uma hora. Ele próprio gerencia suas redes e faz a análise de conteúdo: “Uso as mídias, mas não sou refém delas”. Ele não faz enquetes, por exemplo, mas acompanha atentamente os comentários de seus seguidores: “Não considero as enquetes tão seguras porque há perfis falsos e bots entre os seguidores e a opinião dessa base não reflete necessariamente o pensamento dos meus eleitores”.

Senador Jorge Kajuru gravando vídeo
Gabriela Biló
O senador Jorge Kajuru grava um de seus vídeos no estúdio que instalou em seu gabinete: produção diária

Dispersão e falta de foco

Em janeiro desse ano, nos corredores da Câmara, o então coordenador da Frente da Segurança Pública, chamada ‘Bancada da Bala’, o deputado Alberto Fraga (DEM-DF), desferia as suas dúvidas sobre o mandato com auxílio de suas redes sociais. “Queremos ver como vai ser essa bancada do Youtube. Legislar com base apenas nas redes tende a não dar muito certo”, diz ele. “Estamos perdendo o timing das votações, pois não conseguimos compreender a importância de determinados projetos”. A preocupação excessiva em disseminar informações nas mídias sociais pode levar à dispersão e à falta de foco.

Leia também: PF investiga possível ligação entre Snowden e ataque hacker à Lava Jato

Outro que fez da sua vida parlamentar em um reality show é o deputado Luís Miranda (DEM-DF). Foi eleito a partir de seus discursos inflamados sobre os preços altos de produtos nos EUA e compartilha suas ações: “Estou percebendo que os parlamentares estão sendo pautados pelas mídias sociais e precisam tomar suas próprias decisões”. O fato é que as redes confundem seguidores sem engajamento com eleitores e falseiam a expressão da maioria. Elas podem ser bom divertimento, mas, na política são o caminho da antidemocrática conexão direta com o povo.

    Leia tudo sobre: Instagram