Tamanho do texto

Em nota, o Ministério da Segurança disse que nunca houve qualquer tipo de interferência do então juiz no caso do ex-presidente, que foi remetido ao STF

Sérgio Moro
Divulgação
Em nota, ministro voltou a afirmar que conversas podem ter sido editadas e manipuladas

O Ministério da Justiça e Segurança Pública reafirmou nesta terça-feira (18) que o  ministro Sergio Moro não reconhece a autenticidade de novas mensagens divulgadas pelo site The Intercept Brasil. Segundo a pasta, as conversas "podem ter sido editadas e manipuladas".

Leia também: Senadores derrubam decreto das armas de Bolsonaro com 47 votos

No início da noite, o site divulgou um suposto diálogo que teria ocorrido entre Moro e o procurador da República Deltan Dallagnol , quando o ministro era juiz federal e responsável pelos processos da Operação Lava Jato em Curitiba. Na suposta conversa, Moro teria feito uma pergunta sobre a citação do ex-presidente da República Fernando Henrique Cardoso em uma das delações da Lava Jato, em 2017.

Em nota, o Ministério da Segurança disse que nunca houve interferência do então juiz no caso do ex-presidente, que foi remetido ao Supremo Tribunal Federal ( STF ). Posteriormente, a Justiça de São Paulo entendeu que o caso prescreveu.

Confira a íntegra da nota

"O Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sergio Moro, não reconhece a autenticidade de supostas mensagens obtidas por meios criminosos, que podem ter sido editadas e manipuladas, e que teriam sido transmitidas há dois ou três anos.

Nunca houve interferência no suposto caso envolvendo o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso , que foi remetido diretamente pelo Supremo Tribunal Federa a outro Juízo, tendo este reconhecido a prescrição.

Leia também: Relator da reforma descarta reincluir capitalização em seu parecer

A atuação do Ministro como juiz federal sempre se pautou pela aplicação correta da lei a casos de corrupção e lavagem de dinheiro.

As conclusões da matéria veiculada pelo site Intercept sequer são autorizadas pelo próprio texto das supostas mensagens, sendo mero sensacionalismo".