Tamanho do texto

Em entrevista ao programa do Ratinho, no SBT, ministro disse que caso partiu de 'grupo organizado' que quer criar obstáculos contra investigações

Moro sorrindo no Ratinho
Divulgação/Twitter/SergioMoro
Em entrevista ao Ratinho, Moro disse que tem confiança de que sempre atuou com lisura no Judiciário

O ministro da Justiça e da Segurança Pública, Sergio Moro, afirmou que o vazamento de conversas dele com o procurador Deltan Dallagnol pelo Telegram fazem parte de um ataque orquestrado para parar as investigações e anular os processos judiciais da Operação Lava Jato. Moro classificou o caso como um "ataque as instituições" perpetrado por criminosos. As conversas foram publicadas pelo site The Intercept  .

Leia também: Ministro Sérgio Moro fala à CCJ sobre conversas com Dallagnol; acompanhe ao vivo

As declarações foram feitas em entrevista gravada na última segunda-feira (17) ao apresentador Ratinho, no SBT . O programa foi exibido no final da noite desta terça-feira (18), quando o The Intercept publicou mais uma reportagem sobre o caso que envolve as conversas. No texto, o site diz que Moro afirmou temer melindrar o ex-presidente Fernando Henrique Cardoso com possível investigação.

Na entrevista com Ratinho , Moro disse que tem confiança de que sempre atuou com lisura no Judiciário e voltou a dizer que não pode confirmar a autenticidade das mensagens.

Leia também: Novos vazamentos indicam incômodo de Moro com investigação contra FHC

"Eu não tenho as mensagens. Não posso falar sobre. Mas acho que todos nós devemos nos preocupar com isso. Trata-se de um ataque contra as instituições e à Justiça . Não fui só eu que fui alvo. Também ocorreu com procuradores e jornalistas. É um ataque orquestrado. A polícia está investigando com autonomia, mas a gente não está falando de um adolescente. Existe um grupo criminoso organizado, cujo objetivo é obstaculizar as investigações e anular os processos", afirmou Moro.

Moro voltou a comentar o caso no final da entrevista, quando o apresentador pediu que o ministro enviasse um recado à população. "Estamos trabalhando muito, mesmo diante de reações até criminosas contra o nosso trabalho", afirmou.

Leia também: Dallagnol será convidado a explicar trocas de mensagens com Moro no Senado